quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Intestino artificial ajudará a testar medicamentos

Intestino artificial

Esta imagem mostra o que se poderia chamar de um "intestino artificial", ou, pelo menos, o que mais se aproxima de um intestino sintético já construído em laboratório.

Os pesquisadores preferem chamá-lo de "organoide intestinal humano com nervos entéricos", o que significa que o pequeno intestino de laboratório contém uma inervação real, tornando-o adequado para o estudo de doenças humanas e para o teste de medicamentos.

Organoides desse tipo estão entre as inovações mais recentes no campo da Biologia e da Medicina - já existem glândulas mamárias de laboratório e, mais conhecidos, minicérebros usados nas pesquisas de microcefalia e Parkinson.

O intestino é um desafio à parte por causa de sua complexidade - é o maior órgão imune do corpo, seu processador de alimentos e a interface principal com o mundo exterior.

Desenvolvida cápsula que libera continuamente dose diária de um fármaco

Os pacientes com hemofilia poderão em breve ser tratados através da simples toma de uma cápsula. Um estudo publicado no “International Journal of Pharmaceutics” apresenta um sistema biodegradável que poderá constituir uma opção de tratamento menos dispendiosa e menos dolorosa que as injeções convencionais ou infusões.

Neste estudo, os investigadores da Universidade do Texas, nos EUA, desenvolveram um sistema composto por micro e nanopartículas para transportar uma proteína que trata a hemofilia B.

Atualmente, existem aproximadamente 400 mil pessoas em todo o mundo com hemofilia A ou hemofilia B, que são causadas pela ausência ou acentuada carência de um dos fatores da coagulação. A hemofilia B é causada por uma deficiência ou defeito no fator IX, uma proteína coagulante.

Apesar de esta doença sanguínea e hereditária afetar indivíduos no mundo inteiro, o acesso global à terapia é limitado pelo custo, pela necessidade de profissionais de saúde treinados e possíveis complicações associadas à administração intravenosa de fármacos. Na verdade, são administradas a milhares de pessoas semanalmente injeções múltiplas para evitar hemorragias excessivas e dores nas articulações.

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Veneno de uma das cobras mais mortais do mundo pode servir de analgésico

Uma cobra com a maior glândula de veneno do mundo pode ser a resposta para o alívio da dor, diz uma pesquisa da Universidade de Queensland, na Austrália.

Chamada de "assassina das assassinas", a cobra coral azul é conhecida por se alimentar de outras serpentes. Nativa do Sudeste Asiático, a predadora chega a ter 2 metros de comprimento. Seu veneno tem efeito "quase imediato", causando espasmo na presa.

A pesquisa, publicada na revista científica Toxin, descobriu que o veneno da serpente atinge receptores críticos para a dor nos seres humanos e poderia ser usado como método de tratamento.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Técnica reequilibra a coluna vertebral e é promessa de alívio de dores

Criado na suíça, o Atlasprofilax atua na musculatura para alinhar a distribuição dos pesos do corpo e da cabeça e resolve complicações diversas, como enxaqueca e dores crônicas


Parece milagre. Em apenas uma sessão, dores crônicas na coluna, enxaqueca e túnel do carpo — só para citar algumas das indicações do Atlasprofilax — desaparecem com a técnica que chegou ao Brasil há dois anos. 


Apenas cinco profissionais brasileiros estão habilitados para aplicar a terapia de origem suíça. Três deles estão em Belo Horizonte, um em Governador Valadares (MG) e outro na Bahia. Apesar de recente, o procedimento coleciona alguns depoimentos positivos, como o da médica Ethel Faria Costa Santiago, 51 anos. 

“Recebi um folder, achei interessante e fui pesquisar na internet. Li vários relatos em inglês e espanhol com respostas positivas para a solução da lombalgia e da enxaqueca. Tenho enxaqueca crônica e passei por vários tratamentos que não funcionaram. Fiz o procedimento em junho de 2015 e, desde então, não tive mais crise”, afirma a pediatra e gastroenterologista infantil.

Entre 1993 e 1996, o quiropraxista e vitalogista René-Claudius Shümperli descobriu que a maioria dos seres humanos tem desvio do atlas, nome da primeira vértebra da coluna vertebral, responsável pela sustentação e distribuição de todo o peso da cabeça — que varia entre quatro e seis quilos — e pela distribuição do peso do corpo entre as 32 vértebras da coluna. O atlas atua como ponte entre a cabeça e o corpo e, por ele ou próximo a ele, passam a artéria intervertebral, o nervo vago e a veia jugular.

O vírus que atinge milhões em todo o mundo e pode causar microcefalia em bebês - e não é o Zika

Ele é pouco conhecido pelo público e foi ofuscado pelo vírus Zika: o citomegalovírus (CMV), que era tido como responsável pela maior parte dos casos de microcefalia e surdez no mundo e que volta a causar alertas da comunidade médica internacional.

"Enquanto todos se preocupam com os bebês infectados pelo Zika, com razão, há outra infecção viral que causa milhares de má-formações congênitas nos Estados Unidos a cada ano", disse ao jornal The New York Times o médico Mark Schleiss, diretor de doenças infecciosas pediátricas da Escola de Medicina da Universidade de Minnesota.

"Não só nos Estados Unidos, mas também na Europa o CMV é a principal causa de má-formações congênitas", disse o neuropediatra espanhol Alejandro Reyes Martín, professor da Universidade de Alcalá de Henares.