domingo, 5 de julho de 2015

Gordura no fígado (esteatose hepática): 5 sinais de que você pode ter a doença e não sabe

Veja esses sinais ou condições:
1. Estar acima do peso ideal
2. Ter a glicose dosada no sangue alterada.
3. Ter o triglicerídeo ou colesterol dosado no sangue alterados.
4. Ter feito cirurgia para perder peso no ultimo ano.
5. Ingerir álcool de maneira exagerada ou frequente.

Se você tem algum desses sinais ou condições ou não sabe responder, você pode ter gordura no fígado e não sabe. Leia esse artigo para entender tudo sobre essa condição tão comum e ao mesmo tempo desconhecida…

A gordura no fígado é o que costumamos chamar de esteatose hepática ou doença hepática gordurosa.
É uma doença cuja principal característica é o acumulo de gordura no fígado e usualmente a classificamos em alcoólica e não alcoólica.

Como o próprio nome diz a esteatose hepática alcoólica é a relacionada ao uso abusivo de álcool e tem como principal tratamento a interrupção imediata dessa substância.
O fígado

Para aproveitar os carotenoides, acrescente ovos à salada

Carotenoides


Acrescentar ovos a uma salada de vegetais crus é um método eficaz para melhorar a absorção dos carotenoides contidos nesses vegetais.


Os carotenoides são nutrientes solúveis em gordura que ajudam a reduzir a inflamação e o estresse oxidativo nos tecidos.

"A maioria das pessoas não come vegetais suficientes e, ao mesmo tempo, as pessoas estão consumindo molhos para salada que têm menos gordura ou são isentos de gordura," comentou Jung Eun Kim, pesquisador da Universidade de Purdue (EUA).

"Nossos resultados mostram que as pessoas obtiveram mais carotenoides dos vegetais crus quando também consumiram junto ovos cozidos. Os ovos, um alimento rico em nutrientes que contém aminoácidos essenciais, ácidos graxos insaturados e vitaminas do complexo B, podem ser usados para aumentar o valor nutritivo dos vegetais, que estão sendo pouco consumidos pela maioria das pessoas," completou Kim.

Salada com ovos

Durante os experimentos foram usados ovos mexidos, para garantir que os participantes consumissem tanto a gema, quanto a clara do ovo.

Doenças da próstata: novo tratamento substitui cirurgia aberta

Os pacientes que sofrem de dificuldades urinárias por doença da próstata, como a hiperplasia benigna, estão a ser submetidos desde maio a um novo tratamento no Hospital Escola da Universidade Fernando Pessoa em Portugal.

De acordo com o urologista Fábio Almeida, o tratamento é feito através da cirurgia por vaporização anatômica, uma técnica minimamente invasiva em que a remoção do tecido prostático, que provoca obstrução da bexiga, é feita com um laser introduzido pela uretra.

“O laser já é usado há alguns anos, esta técnica cirúrgica é que é bastante recente e inovadora. Permite que de uma maneira simples e muito anatômica consigamos mimetizar o que se fazia antigamente com a cirurgia aberta, que é remover todo o tecido prostático que estava a mais - o chamado adenoma prostático - que cresce com o avançar da idade devido a muitos fatores”, referiu Fábio Almeida à agência Lusa.

O especialista adiantou ainda que o tratamento “permite a remoção do tecido sem praticamente perda de sangue nenhum, sem cicatrizes, porque a intervenção é feita de forma endoscópica através da uretra e permite operar o doente de manhã e a tarde dar-lhe alta, com a função urinária normalizada”.

“É uma inovação fantástica, porque os resultados são iguais ou melhores aos obtidos através da cirurgia aberta”, garantiu Fábio Almeida. 

Como ter um bom hálito?

Na Internet, você pode até ser só bonitão, até mesmo ter um bom papo para conquistar alguém. Mas e na vida real? Muitas pessoas sofrem com problemas de mau hálito e não conseguem se livrar daquele cheiro ruim que sai de suas bocas. O cheiro ruim geralmente é causado por bactérias e alimentos que comemos. 

Você pensa que um chiclete ou bala vão resolver o problema? Eles no máximo conseguem disfarçar o mau hálito e se tiverem açúcar podem piorar um tempo depois. O negócio mesmo é tomar água regularmente.

Um dos grandes causadores do mau hálito é a boca seca. Se a boca fica seca, as células mais da superfície morrem e viram um prato cheio para as bactérias que vivem em nossa boca. A digestão destas células acaba provocando o cheiro ruim.

A segunda coisa a fazer é escovar e passar o fio dental depois de todas as refeições. Entre os dentes e nos cantinhos da boca ficam alguns pedaços de comida que servem para aumentar ainda mais a população de bactérias. Se não der para escovar os dentes, pelo menos não se esqueça de passar o fio dental. Ele é essencial pois vai tirar o resto de comida que fica em cantinhos da boca que são verdadeiros “hotéis” de bactérias.

Os enxaguantes bucais funcionam? Eles funcionam tanto como as balas e chicletes, melhorando o hálito momentaneamente, o ideal mesmo é escovar a língua e passar o fio dental e também ter uma alimentação melhor para evitar o mau hálito.

Cafeína é eficaz no combate a depressão

O consumo de cafeína é eficaz tanto na prevenção como no tratamento da Depressão, revela um estudo internacional publicado na revista da Academia Americana de Ciências “Proceedings of the National Academy of Sciences” (PNAS).

Ao longo de seis anos, uma equipe de 14 investigadores da Alemanha, Brasil, Estados Unidos e Portugal, coordenados por Rodrigo Cunha, do Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) e da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (FMUC), efetuou um conjunto de estudos e experiências em modelos animais (ratinhos) para avaliar em que medida a cafeína interfere na Depressão, a doença com maiores custos socioeconômicos do mundo ocidental.

A equipe começou por sujeitar dois grupos de ratinhos a situações de Stress Crônico Imprevisível, isto é, a sucessivas situações negativas e por vezes extremas (privação de água, exposição a baixas temperaturas, etc.), durante três semanas. A um dos grupos foi administrada cafeína diariamente.

No final da experiência observou-se que os animais que consumiam cafeína, em doses equivalentes a quatro / cinco xícaras de café por dia em humanos, «apesar de todas as situações negativas a que foram sujeitos, apresentavam menos sintomas em relação ao outro grupo, que registrou as cinco alterações comportamentais típicas da depressão: imobilidade (os ratinhos deixaram de reagir), ansiedade, anedonia (perda de prazer), menos interações sociais e deterioração da memória», explica o coordenador do estudo.