sábado, 25 de agosto de 2018

Vacina da Pfizer protege pacientes oncológicos e outros imunocomprometidos contra pneumonia pneumocócica

Pacientes com condições clínicas que comprometem o sistema imunológico, como câncer e HIV, assim como aqueles que passaram por transplantes, têm um risco aumentado de apresentar pneumonia e doenças pneumocócicas invasivas, na comparação com indivíduos saudáveis. No mundo, a pneumonia é uma das principais causas de hospitalização e mortes. E, no Brasil, apenas nos primeiros quatro meses de 2018, a enfermidade provocou a internação de 163.286 pessoas em hospitais ligados ao Sistema Único de Saúde (SUS).

Em portadores de HIV, por exemplo, a diminuição da capacidade das células de defesa provocada pelo vírus faz com que o paciente apresente um risco de contrair pneumonia até 100 vezes maior em relação a pessoas sem essa condição. "No caso dos pacientes oncológicos o sistema imune pode ser enfraquecido pela doença e também pelos tratamentos à base de quimioterapia ou radioterapia, que também afetam as células de defesa", diz a infectologista Cláudia Murta, da Santa Casa de Belo Horizonte.

segunda-feira, 30 de julho de 2018

Genérico inédito aprovado para o tratamento de câncer

Primeiro genérico do medicamento everolimo vai chegar ao mercado com preço menor que o produto de referência atual.

O primeiro medicamento genérico com a substância everolimo foi aprovado pela Anvisa. O produto é indicado para o tratamento de vários tipos de câncer, como o câncer de mama avançado, câncer de rim, entre outros.

Por se tratar de um genérico, o produto deve chegar ao mercado com um preço pelo menos 35% menor que o preço máximo do medicamento de referência.

O everolimo genérico será produzido pela Natco Pharma Limited, sediada na Índia. A dona do registro no Brasil e responsável pela comercialização do produto no país é a Natcofarma do Brasil Ltda.

terça-feira, 24 de julho de 2018

Fibrose cística ganha medicamento inédito no Brasil

Medicamento Orkambi® (lumacaftor + ivacaftor) recebeu registro da Anvisa para tratamento de doença genética e atualmente incurável.

A Anvisa aprovou nesta segunda-feira (23/7) o registro de um medicamento novo para o tratamento da fibrose cística. A nova alternativa de tratamento é o Orkambi® (lumacaftor + ivacaftor), que até o momento não estava disponível no país.

A fibrose cística é uma doença de origem genética e ainda incurável que provoca o acúmulo de muco no pulmão, levando a inflamações e infecções que podem causar insuficiência respiratória.

segunda-feira, 18 de junho de 2018

Combinações de medicamentos perigosas e letais

Interações Medicamentosas

Na era da polifarmácia, não é incomum que pacientes com doenças crônicas estejam em uso de meia dúzia de medicamentos diferentes. As interações medicamentosas aumentaram porque estamos usando mais medicamentos, e mais combinações de drogas, do que nunca. As interações medicamentosas podem prejudicar a efetividade de uma ou mais drogas, ou resultar em outros eventos adversos.

Interações medicamentosas são consideradas erros evitáveis. Com o advento da prescrição eletrônica, a esperança era de que o software alertaria os prescritores sobre as interações entre uma ou mais drogas que o paciente está usando, e esses alertas são comuns. Na verdade, eles são tão ubíquos que geralmente são ignorados durante o processo de prescrição. Além disso, os médicos não podem confiar somente no software de prescrição para evitar todas as interações medicamentosas.

O Dr. Douglas S. Paauw, professor de medicina na University of Washington School of Medicine, em Seattle, traz exemplos de interações medicamentosas comuns e métodos de prevenção. Os exemplos a seguir não estão classificados em nenhuma ordem de frequência ou significado clínico.

Anvisa aprova três novos medicamentos biológicos

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) registrou mais três medicamentos biológicos novos para comercialização no mercado nacional. O primeiro é o Bavencio (avelumabe), produto para tratamento de doença rara, aprovado para o uso em monoterapia (utilização de um só medicamento) em pacientes adultos com carcinoma (tumor) de células metastáticas Merkel (MCC), tipo incomum de câncer que exibe características clínicas agressivas.

O segundo foi o Duavive, indicado para tratamento de sinais e sintomas associados à queda de estrogênio (hormônio feminino), fato que causa desconfortos à mulher, tais como ondas de calor. Esse produto foi aprovado para o tratamento de sintomas vasomotores (nervos responsáveis pela contração e pelo relaxamento de vasos sanguíneos) classificados como moderados a graves e associados à menopausa.

O Duavive é uma combinação inovadora de hormônios estrogênios conjugados e de acetado de bazedoxifeno. Este último atua inibindo os efeitos negativos associados ao uso isolado do hormônio feminino. Pode ser utilizado após a ocorrência da menopausa em mulheres que ainda tenham útero e com registro da última menstruação natural há mais de 12 meses.
O terceiro produto aprovado foi o medicamento Fasenra (benralizumabe), indicado como tratamento adjuvante (reforço) de manutenção para asma grave com fenótipo eosinofílico em pacientes adultos.

Os novos registros foram publicados pela Anvisa no Diário Oficial da União (DOU) do dia 4 de junho 2018.

Com informações da Anvisa