domingo, 11 de novembro de 2012

Estudo mostra mudanças na atividade cerebral sob efeito de anestesia


Pesquisadores do Hospital Geral de Massachusetts (MGH, na sigla em inglês) e o Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, na sigla em inglês) identificaram pela primeira vez um modelo de atividade cerebral que parece sinalizar exatamente quando pacientes perdem a consciência com anestesia geral. Mesmo que seu estudo envolva apenas a droga anestésica propofol, a equipe de pesquisa acredita que os resultados encontrados serão aplicados a outras formas de anestesia geral e poderão levar a formas melhores de monitorar pacientes anestesiados.   
“Como os anestésicos produzem a inconsciência é um grande mistério científico, então essa descoberta é muito importante por que sugere um mecanismo específico de como o propofol, uma das drogas anestésicas mais usadas, funciona”, disse Patrick Purdon, autor da pesquisa e instrutor em anestesia no MGH. “O modelo encontrado marca um novo estado do cérebro em que neurônios em diferentes áreas se tornam inativos em diferentes momentos, prejudicando a comunicação entre diversas regiões cerebrais”, afirmou Purdon.         
De acordo com o hospital, a atual hipótese da natureza da inconsciência é que ela representa a perda de funções de comunicação no cérebro. Estudos dos efeitos de anestesia geral em animais, por exemplo, não podem determinar precisamente quando a consciência é perdida. O estudo dos pesquisadores americanos mediu a atividade de neurônios singulares e de conexões neurológicas em três pacientes que tiveram eletrodos implantados no cérebro para ajudar no diagnóstico de epilepsia. No início dos procedimentos cirúrgicos para remover os eletrodos, pacientes eram solicitados a apertar um botão quando ouvissem um som, gerado a cada quatro segundos. Quando um paciente não respondia a dois tons seguidos, o período de cinco segundos definido por cada som era identificado como o ponto em que a consciência foi perdida.
Análises da atividade de neurônios singulares mostraram uma diminuição na atividade geral, mas não até 30 segundos após a perda da consciência. Esse tempo em que a consciência foi perdida, porém, coincidiu com uma mudança significante na estrutura de atividades cerebrais. Enquanto atividades elétricas em um cérebro consciente parecem ser desorganizadas sem a presença de modelos regulares, participantes do estudo iam perdendo a consciência e essa atividade começava a mostrar oscilações regulares entre estados de ativação e desativação do cérebro.      
“Esses períodos desativados ou silenciosos de atividades cerebrais ocorreram em tempos diferentes em diversas regiões do cérebro, então a comunicação entre as regiões é interrompida”, disse Laura Lewis, coautora da pesquisa. “É como se uma região cerebral estivesse em Boston e a outra em Singapura – elas não podem fazer ligações entre elas por que uma está dormindo quando a outra está acordada”, afirmou. Esse é o primeiro estudo que grava atividade neurológica durante a transição à inconsciência e o primeiro a combinar o “ataque” desse modelo com a perda de consciência. 
“Antes, os modelos de ondas cerebrais e a fisiologia do cérebro que indicavam inconsciência não eram claras, então anestesistas não tinham uma forma correta de monitorar o cérebro durante a aplicação de uma anestesia geral. Agora que identificamos um marco específico associado à inconsciência, podemos desenvolver sistemas que indicarão o nível de consciência dos pacientes e ajudar os anestesistas a determinarem a melhor dosagem da droga a ser usada. Dessa forma, poderíamos ajudar a prevenir momentos raros em que o paciente acorda no meio da cirurgia ou evitar uma overdose de anestesia”, explica Purson.

Fonte: Portal do Biomédico