domingo, 9 de dezembro de 2012

Leite funcional tem o dobro de selênio e vitamina E


Gordura boa

Pesquisadores brasileiros desenvolveram uma nova técnica para produção de leite enriquecido.
O chamado leite funcional é produzido por um processo natural - a composição do leite é alterada por meio da alimentação da vaca para que o alimento favoreça a saúde e o crescimento dos seres humanos.
O produto tem o dobro de selênio e vitamina E, além de uma composição de gordura que leva ao aumento do chamado colesterol bom.
O selênio e a vitamina E são antioxidantes que desaceleram o envelhecimento das células, podendo reduzir as chances de desenvolvimento do câncer.

Leite para crianças e idosos

O estudo, que une avaliação zootécnica com análise da saúde humana em um mesmo experimento, é inédito no País e está sendo feito por pesquisadores da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA) e da USP.
Os pesquisadores inseriram na dieta animal o selênio e a vitamina E, juntamente com óleo de girassol.
O leite produzido foi ofertado a 90 crianças, com idade de sete a 10 anos, da cidade de Casa Branca, em São Paulo, durante três meses. Os testes ainda estão em andamento, mas as crianças que tomaram o leite funcional apresentaram maior concentração das substâncias e do bom colesterol no sangue.
Uma segunda fase dos trabalhos testa agora o produto em 130 idosos da Casa do Vovô e da Amizade, de Ribeirão Preto. O estudo começou em setembro de 2012 e deve ser finalizado no início de dezembro deste ano.

Leite para humanos

O leite de vaca, um dos principais alimentos na nutrição humana, fornece proteína, lactose, gordura, vitaminas e minerais.
Dentre os minerais, o cálcio é o mais importante, sendo responsável pelo crescimento, desenvolvimento e manutenção dos ossos e dentes.
Contudo, como o leite bovino naturalmente existe para suprir necessidades nutricionais dos bezerros, as pesquisas trabalham para modificá-lo para ficar mais interessante à nutrição humana.
Assim, os pesquisadores introduziram na alimentação das vacas o dobro da quantidade normalmente exigida de selênio e vitamina E.
Os pesquisadores garantem que, além de melhorar a qualidade do leite para o consumo humano, a alimentação enriquecida ajuda também na saúde e nutrição das vacas, com a diminuição da ocorrência da mastite subclínica e o aumento de 30% da produção de leite.

Fonte: Agência USP