terça-feira, 15 de janeiro de 2013

HIV pode ter gerado bactéria Salmonella mortal


Deficiência imunológica

A epidemia de HIV pode ter gerado um novo tipo de bactéria do gênero Salmonella.
A descoberta é um indício forte de que o HIV pode estar permitindo que novos patógenos humanos evoluam usando o estado de saúde mais frágil das pessoas imunodeprimidas.
A maioria das pessoas já teve infecções por salmonelas, geralmente comendo carne contaminada com as bactérias.
Os efeitos, contudo, não passam de um desarranjo intestinal passageiro.
Na África, contudo, a bactéria parece estar passando para o sangue das pessoas com o sistema imunológico deprimido pela má nutrição, sobretudo crianças, pela AIDS ou pela malária.

Salmonela não-tifoidal invasiva

A contaminação causa uma febre que os médicos estão chamando de iNTS (invasive non-typhoidal salmonella) - salmonela não-tifoide invasiva.
O grande problema é que o efeito da infecção é devastador, podendo matar os pacientes em até 45% dos casos.
Chinyere Okoro e sua equipe do Instituto Wellcome Trust Sanger, no Reino Unido, conseguiram agora sequenciar o DNA de várias amostras de iNTS coletadas na África.
Isto tornou possível mapear a origem genética dessas bactérias, determinando sua "árvore familiar" conforme elas se espalhavam pelo continente.
Uma primeira cepa surgiu no Malawi, no sudeste da África, nos anos 1960, e levou cerca de 10 anos para se espalhar pela África Central.
Contudo, a partir dos anos 1980, essa linhagem parece ter sido substituída por uma segunda cepa, esta resistente ao cloranfenicol, o antibiótico usado para tratar as infecções da primeira bactéria.

Contaminação de pessoa para pessoa

Tanto a época quanto a localização dos surtos iniciais de iNTS coincidem largamente com a epidemia de HIV que assola o continente.
A epidemia só não adquiriu proporções ainda mais graves porque a iNTS afeta sobretudo crianças, que praticamente não viajam - o HIV, por sua vez, espalhou-se largamente acompanhando o trânsito de adultos em viagem.
Segundo os pesquisadores, este é mais um caso de bactérias que tiram vantagem adaptando-se ao ser humano, como já ocorrera com outra Salmonella, que causa a febre tifoide.
No caso da febre tifoide, a adaptação foi tão grande que agora a doença já pode ser adquirida de outra pessoa, em vez de depender de uma contaminação no ambiente.
Se a suspeita estiver correta, a iNTS brevemente poderá ser transmitida de pessoa para pessoa, gerando um problema de saúde ainda mais grave.

Fonte: Diario da Saúde - Com informações da New Scientist