quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Cientistas conseguem restaurar audição em ratos surdos


Uma pequena forma de modificação genética pode ser usada para prevenir um tipo hereditário de surdez encontrado em algumas famílias humanas, apontam estudos feitos em animais. 

Pacientes com síndrome de Usher possuem setores defeituosos no código genético que causam problemas de audição, visão e equilíbrio. Um estudo publicado na revista científica Nature Medicine mostrou que esses mesmos defeitos podem ser corrigidos em ratos para restaurar um pouco da audição. As informações são da BBC.

Especialistas dizem que esse é um início promissor para a pesquisa. Há diversos tipos de síndrome de Usher ligados a diferentes erros no DNA – o diagrama de cada componente do corpo. Uma dessas mutações corre em famílias descendentes de colonos franceses na América do Norte.

Quando esses pacientes tentam criar determinada proteína necessária para formar os minúsculos pelos no ouvido que detectam o som, não conseguem completar o trabalho. Isso resulta na perda de audição logo após o nascimento e tem um efeito similar nos olhos, onde causa uma gradual perda de visão.

Cientistas criaram um pequeno pedaço de material genético que se liga à mutação e mantém ativas as “fábricas” do corpo que constroem a proteína. Quando ratos de laboratório com a síndrome de Usher sofreram esse tipo de mutação genética, cresceram com a capacidade de ouvir e não tiveram quaisquer problemas de equilíbrio. O tratamento teve de ser feito cedo, entre os primeiros 10 a 13 dias de vida.

Anteriormente, uma pesquisa semelhante - porém com vírus geneticamente modificados dentro de uma injeção - obteve um efeito parecido, também fazendo com que ratos surdos recuperassem um pouco da audição.

Fonte: Portal do Biomédico