domingo, 16 de junho de 2013

Glaucoma: silenciosa, doença é considerada maior causa da cegueira irreversível

O glaucoma é considerado a principal causa de cegueira irreversível no mundo. Até 2020, a Organização Mundial da Saúde (OMS) prevê um crescimento mundial de indivíduos com glaucoma de 60 milhões para 80 milhões, números que mostram a importância dos cuidados com a visão. A doença não apresenta sintomas na sua fase inicial, sendo silenciosa e traiçoeira. Muitas pessoas só desconfiam que haja algo errado quando percebem a perda da visão periférica, o que se manifesta em seu estado já avançado.

Para alertar sobre a gravidade do distúrbio, no dia 26 de maio foi celebrado o Dia Nacional de Combate ao Glaucoma. “Trata-se de uma alteração do nervo que leva a uma diminuição concêntrica do campo visual, até que se tenha a perda da visão. O aumento da pressão ocular agrava essa degeneração óptica”, explica o oftalmologista e chefe do Serviço de Oftalmologia do Hospital de Bonsucesso, André Dores.

O Sistema Único de Saúde (SUS) oferece tratamento 

Nos últimos anos, com o aumento da expectativa de vida da população, os casos de glaucoma têm aumentado. “É uma doença que acomete de 1 a 2% da população acima de 40 anos e 6% da população acima de 70”, afirma o especialista. O glaucoma afeta principalmente a população negra, em função do aumento da pigmentação nos olhos.

O diagnóstico precoce facilita o tratamento. “Como é uma doença que, na maioria das vezes, não apresenta sintomas, é importante que a população acima de 40 anos vá ao oftalmologista anualmente”, aconselha Dores. O tratamento, na maior parte dos casos, é clinico e com a utilização de colírios. Quando não é possível o controle com medicamentos de uso tópico o oftalmologista pode recomendar a cirurgia.

O SUS oferece tratamento para o glaucoma em serviços de oftamologia credenciados. Em 2012, foram realizados 1.050.704 procedimentos, equivalentes a investimento de R$ 79.465.127,45.

Dores alerta para o risco de uso indriscriminados de colírios. “Alguns medicamentos são contraindicados para pacientes com glaucoma, pois podem comprometer o tratamento, como o uso de medicamentos a base de atropina e cortisona”, afirma o médico do Hospital de Bonsucesso.

Saiba mais sobre a doença:

- Pessoas com histórico familiar de glaucoma têm cerca de 6% de chance de desenvolver a doença. 
- Os diabéticos e negros são mais propensos a desenvolverem glaucoma de ângulo aberto. Em geral, este tipo de glaucoma não apresenta sintomas e o paciente não sente dor e perde lentamente a visão. 
- Os asiáticos têm maior tendência a desenvolverem glaucoma de ângulo fechado, forma da doença em que ocorre um rápido aumento da pressão do olho. Os sintomas podem incluir dores oculares e dores de cabeça intensas, olhos avermelhados.
- A prevalência de doenças oculares que levam ao comprometimento da visão cresce com o avanço da idade. As maiores taxas de cegueira e baixa visão são observadas com o aumento da vida média da população.
- Na população com mais de 50 anos de idade, as principais causas de cegueira são a catarata, o glaucoma, a retinopatia diabética e a degeneração macular (perda da visão no centro do campo visual, a mácula).

Fonte: Maria Vitória / Comunicação Interna do Ministério da Saúde