terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Idosos devem dar mais atenção aos cuidados com o diabetes para evitar complicações graves ocasionadas pela doença

Por ser uma doença silenciosa, o diabetes nem sempre é diagnosticado precocemente e tratado de maneira adequada. Segundo estudo realizado nos EUA, 33% das pessoas acima dos 60 anos tem algum tipo de alteração no metabolismo da glicose (pré-diabetes e diabetes) e, de acordo com pesquisa realizada pela Novo Nordisk em 2012, 56% das pessoas com risco de desenvolver a doença nunca foram informadas sobre essa situação.

No caso dos idosos todo esse contexto é agravado pelas síndromes geriátricas, conhecidas como a síndrome dos 5 “i”: imobilidade, incontinência, insuficiência, instabilidade e iatrogenia (mal estar ocasionado pelo consumo de diversos medicamentos). Quando o idoso já apresenta o quadro de diabetes, a ocorrência crônica de hipoglicemia faz com que essas síndromes se agravem e as complicações apareçam.

O médico endocrinologista da Faculdade de Medicina da Santa Casa de São Paulo e consultor da Novo Nordisk, Dr. João Eduardo Nunes Salles, revela dados assustadores relacionados a essas complicações: “É importante que os pacientes saibam que não seguir as orientações médicas no tratamento do diabetes impacta em complicações como doenças vasculares, quadros de demência, problemas renais, além de ser a segunda maior causa de cegueira no Brasil”.

O médico ainda faz um alerta e dá dicas para que os pacientes acima de 60 anos possam levar uma vida normal, mesmo tendo a doença: “A cada 30 segundos uma pessoa é amputada no mundo em decorrência do diabetes. Fazer o tratamento adequado evita todas essas complicações e visitar um médico geriatra periodicamente é essencial para manter uma rotina saudável.”

Além desses cuidados, Dr. João ainda diz ser muito importante praticar exercícios físicos resistidos (musculação), já que com a idade, o corpo vai perdendo a massa muscular, processo que é acelerado pelo quadro de diabetes, e que também aumenta o risco da doença e mortalidade. Combinar as atividades a uma dieta equilibrada, controlando o consumo de carboidratos e melhorando a ingestão de proteínas ajuda a afastar os problemas.  

Liberdade a caminho

Atualmente são cerca de 25 milhões de pessoas com mais de 60 anos no Brasil, segundo o IBGE. Em 2040, o país será o quinto país com a maior população idosa do mundo, de acordo com a ONU. Diferente das pessoas mais jovens com diabetes, que utilizam a insulina durante a noite a fim de evitar a hipoglicemia noturna, a insulinização dos pacientes idosos deve apresentar duração maior para cobrir mais horas do dia.

Uma nova insulina de ação ultralonga deve chegar ao mercado nos próximos meses e proporcionar maior segurança e tranquilidade no tratamento do diabetes. Produzida pela Novo Nordisk, laboratório líder mundial no tratamento da doença, a insulina degludeca (Tresiba) tem duração de até 48 horas e apresenta diminuição significativa nos quadros de hipoglicemia, principalmente durante a noite, quando a ocorrência é mais grave pelo fato do paciente estar dormindo. 

Por: Burson-Marsteller Brasil 

Nenhum comentário:

Postar um comentário