quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Consumo elevado de sal pode estar associado a enxaquecas

A adoção de uma dieta com elevado teor de sal está associada ao aparecimento da enxaqueca. O estudo publicado no “BMJ Open” sugere que esta associação é independente da ligação já bem estabelecida entre o consumo de sal e a elevada pressão arterial.

As enxaquecas são um problema clínico em todo o mundo e representam um dos distúrbios do sistema nervoso mais frequentemente relatados. De acordo com os investigadores do Instituto Médico John Hopkins, nos EUA, 46% dos adultos em todo o mundo tem dores de cabeça ativas, o que faz com que muitos tenham uma má qualidade de vida e se ausentem com frequência do seu posto de trabalho.

Apesar de a associação entre a enxaqueca e a pressão arterial estar bem estabelecida, a sua associação com o consumo de sal e outros fatores dietéticos ainda não está completamente esclarecida.

De forma a investigar o efeito da dieta na ocorrência das enxaquecas, os investigadores, liderados por Lawrence Appel, contaram com a participação de 390 indivíduos. Os participantes foram divididos em dois grupos. Um dos grupos adotou a chamada dieta DASH (do inglês, Dietary Approaches to Stop Hypertension), rica em frutas e legumes e com baixo teor de gorduras, produtos láteos e sal. O segundo grupo, o de controle, seguiu uma dieta tipicamente ocidental, rica em gorduras, doces, carne vermelha, cereais refinados e fast-food. 

Ao longo de 30 dias, e em três períodos distintos, cada participante ingeriu alimentos com teor de sal elevado, intermédio e baixo. Ao fim de cada período, os participantes preencheram um questionário para avaliar a frequência e severidade das enxaquecas.

O estudo apurou que as pessoas que tinham ingeridos alimentos com elevado teor de sal, cerca de 8g por dia, tinham um terço mais de enxaquecas do que aqueles que tinham comido alimentos com baixo teor de sal, cerca de 4g por dia. Os investigadores apuraram que esta diferença era independente do tipo de dieta que os participantes tinham adotado, DASH ou ocidental.

"É interessante notar que não houve uma relação significativa entre o padrão de dieta adotado e a enxaqueca. Isto sugere que um processo que é independente da pressão sanguínea pode mediar a relação entre o sal e as enxaquecas”, revelaram os investigadores em comunicado de imprensa.

De acordo com Lawrence Appel, este estudo sugere que a redução do consumo de sal pode ajudar a reduzir algumas enxaquecas. Contudo, na opinião do investigador, são necessários mais estudos para replicar estes resultados e para explorar os mecanismos que medeiam esta associação.

Foto: migrainesurgerytreatment.com1000 × 1000

Nenhum comentário:

Postar um comentário