quinta-feira, 19 de março de 2015

A estatina não faz efeito? O problema pode estar em suas artérias

Toma estatina e, mesmo assim, o nível de colesterol LDL não cai? Você pode ter mais artérias bloqueadas do que aquelas pessoas que respondem ao medicamento. Essa foi a constatação de uma pesquisa publicada no periódico Arteriosclerosis, Thrombosis and Vascular Biology.

O colesterol LDL é considerado "ruim" porque, em altas taxas, contribui para a formação de placas de gordura na parede das artérias, condição chamada de aterosclerose. Esse estado dificulta a circulação sanguínea e pode levar à formação de coágulos, causando problemas como derrame e infarto. Para alguns pacientes, seguir uma dieta saudável, praticar atividade física, evitar o cigarro e manter um peso normal são medidas suficientes para controlar os níveis de colesterol. Outras pessoas, no entanto, precisam completar o tratamento com uso de estatina.

Pesquisa

Os pesquisadores revisaram dados de sete estudos clínicos que compararam a saúde das artérias de indivíduos antes e depois do tratamento com estatina. As pesquisas duraram de 18 a 24 meses e incluíram 647 pessoas que foram diagnosticadas com doença arterial coronária e tomavam estatina.

Em 20% dos voluntários, o medicamento não fez efeito e as taxas de colesterol aumentaram. Essas pessoas tinham mais acúmulo de placas de gordura nas artérias do que aquelas que responderam à terapia com droga.

"Para diminuir o risco de doenças cardiovasculares, é essencial monitorar os níveis de LDL em pacientes que têm alguma doença no coração ou que estejam se tratando com estatina", afirma Stephen Nicholls, professor da Universidade de Adelaide, na Austrália, e principal autor do estudo.

Estratégias para controlar o colesterol

Consuma ômega-3

O ômega-3 é um ácido graxo que tem função anti-inflamatória. Ele diminui o risco de placas de gordura, formadas pelo colesterol alto, inflamarem e causarem coágulos. Além disso, o nutriente reduz o colesterol ruim (LDL) e aumenta o bom (HDL). O ômega-3 pode ser encontrado em peixes, principalmente na sardinha e no salmão. Não por acaso, um estudo comprovou que a dieta do mediterrâneo, que é rica nesse ácido graxo, pode reduzir os níveis de colesterol no sangue. Evite alimentos ricos em gordura saturada

Carnes gordas (como a picanha), leite integral, queijo amarelo, presunto e manteiga são exemplos de alimentos ricos em gordura saturada. "Esse tipo de gordura é o que tem a maior concentração de colesterol ruim em sua composição", diz o cardiologista Luiz Bortolotto, coordenador do Centro de Hipertensão do Hospital Oswaldo Cruz, em São Paulo. Prefira as versões menos gordurosas desses alimentos, como carnes brancas e leite desnatado.

Pratique exercícios físicos

A prática de atividades física acelera o metabolismo e, consequentemente, incentiva a ação das enzimas que elevam a concentração de colesterol bom no sangue. Indiretamente, o exercício reduz o nível de colesterol ruim e protege as artérias. O ideal é praticar pelo menos 30 minutos de atividade física três vezes por semana.

Eleve a ingestão de fibras

As fibras ajudam a diminuir a absorção intestinal das gorduras, matéria-prima do colesterol. "Esse mecanismo faz com que o organismo excrete mais gordura do que absorve e ajuda a controlar os níveis de colesterol ruim no corpo", afirma Marcelo Paiva, cardiologista do Núcleo de Cardiologia do Hospital 9 de Julho, em São Paulo. Um estudo mostrou que ingerir três quartos de xícara de chá por dia de leguminosas — como feijão, lentilha e grão-de-bico —, ricas em fibra, pode diminuir em 5% as taxas de colesterol ruim. Outras boas fontes do nutriente são aveia, chia e caqui. 

Pare de fumar

O tabagismo em si não eleva os níveis de colesterol ruim no sangue. Porém, componentes como a nicotina deterioram as paredes das artérias, de modo que fica mais fácil o colesterol se fixar nelas. "O cigarro acelera e agrava o processo de formação de placas de gordura", diz Marcelo Paiva.

Fonte: Veja
Foto: www.isagenixhealth.net

Nenhum comentário:

Postar um comentário