sábado, 4 de abril de 2015

Estudo sugere eficácia de medicamento dado antes de fumante pensar em largar o vício

Os médicos normalmente esperam até que os fumantes estejam prontos para largar o vício antes de prescrever medicamentos para ajudá-los no processo. Mas um novo estudo descobriu que, mesmo para aqueles que não estão prontos para parar de fumar imediatamente, o medicamento preventivamente pode melhorar substancialmente suas chances de eventualmente cessar.

Diretrizes clínicas têm aconselhado que médicos façam com que seus pacientes escolham uma data para deixar o cigarro, antes mesmo de prescrever medicamentos como Champix, as pílulas usadas para tratar a dependência de nicotina que foram examinadas no estudo – o estudo, aliás, é financiado pela Pfizer, fabricante do Champix, tratamento que custa cerca de US$ 250 mensais. A ideia era que esse medicamento não fosse prescrito para alguém que estivesse em dúvida sobre parar de fumar, até porque, em alguns casos, planos de saúde não pagam as pílulas sem que a data esteja definida.

Mas, em um estudo publicado na revista científica “JAMA”, os pesquisadores descobriram que, mesmo para pacientes que queriam parar de fumar eventualmente, as pílulas foram eficazes, abrindo o caminho para um número muito maior de pessoas que médicos poderiam tratar.

Reposição de nicotina já é usada de forma preventiva

David Abrams, diretor executivo do Instituto Schroeder de Pesquisas de Tabaco e Estudos de Políticas, disse que os estudos de terapia de reposição de nicotina, como adesivos e chiclete, há muito tempo vem mostrando que tentar parar gradualmente ao longo do tempo é uma boa maneira de mudar os hábitos de vida. O presente estudo parece apontar o mesmo para pílulas, disse ele.

“Às vezes o vício grave precisa ser persuadido a descer as escadas, um por vez, e não ser jogado fora do último andar”, disse Abrams, que não esteve envolvido no estudo.

Os reguladores federais exigem que as empresas conduzam estudos que comprovem a eficácia de tais terapias, e monitore de perto. A prática é comum para as terapias contra o tabagismo, disse Robert Oeste, diretor de estudos do tabaco da Universidade de Londres, que estava entre os autores do estudo. Se tais estudos foram financiados pelo governo, que sustenta um monte de pesquisa acadêmica, os contribuintes arcariam com o ônus com o qual a empresa acabaria por se beneficiar, disse ele.

Ainda assim, alguns pesquisadores não envolvidos no estudo disseram que o tema exigiu mais trabalho.

“O método utilizado aqui é muito razoável, que parece ter sido bem-sucedido”, disse Gary A. Giovino, professor de comportamento de saúde da Universidade Estadual de Nova York em Buffalo. “Mas os resultados de um estudo não fazem um fato. Precisamos de mais estudos, financiados por alguém que não seja a empresa que fabrica o produto”.

Tabagismo mata cem mil por ano no Brasil

O tabagismo é a maior causa de morte evitável nos Estados Unidos, matando mais de 480 mil americanos por ano. A taxa de fumantes diminuiu substancialmente desde a década de 1960, mas o ritmo de declínio desacelerou nos últimos anos e os especialistas em saúde estão tentando descobrir como conseguir fazer com que mais fumantes parem. 
Já no Brasil, de acordo com o Ministério da Saúde, o tabagismo é uma doença epidêmica responsável por cerca de 200 mil mortes por ano. Os cânceres de pulmão e laringe são os que mais matam no país. Por aqui, também, segundo o Vigitel 2013 (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico), em 2013, a prevalência de fumantes caiu para 11,3%.

Cerca de 1.500 pacientes de 61 clínicas nos Estados Unidos e no exterior participaram do estudo. Nenhum estava disposto a parar imediatamente, mas todos disseram que queriam fumar menos e largar o vício no prazo de três meses. Eles foram divididos aleatoriamente em dois grupos. Um recebeu Chantix, que é tomado duas vezes ao dia por via oral como uma pílula; o outro grupo recebeu um placebo.

Quase um terço dos pacientes que receberam a droga parava no prazo de seis meses do início do tratamento, em comparação com 6% que tomaram o placebo. O estudo não acompanhou os pacientes a longo prazo, por isso não ficou claro se aqueles que pararam de fumar acabaram se livrando definitivamente do hábito.

Fonte: O Globo
Foto: joaon.weblogs.us

Nenhum comentário:

Postar um comentário