segunda-feira, 4 de maio de 2015

Descoberto tratamento para epilepsia baseado no metabolismo

Um grupo de pesquisadores do Japão descobriu um tratamento para a epilepsia que se baseia no metabolismo, o que representa um grande avanço com relação ao tradicional enfoque neuronal desta doença, de acordo com um artigo publicado na revista "Science".

No texto, os cientistas japoneses explicaram que esta via metabólica poderia levar ao desenvolvimento de novos medicamentos, dado que os tratamentos atuais não são efetivos para um terço dos pacientes.

O novo tratamento foi conseguido a partir de outro descoberto na década de 20: a dieta cetogênica, que se baseia nas gorduras, limita carboidratos ao mínimo e alivia os casos de epilepsia resistente aos medicamentos.

Com essa dieta, a principal fonte de energia do cérebro deixa de ser a glicose e passa a ser as cetonas.

Conforme o estudo, a inibição da enzima lactato desidrogenase (LDH), fundamental na comunicação metabólica entre os astrocitos e os neurônios, bloqueia a excitação neuronal e evita as convulsões em ratos com epilepsia.

"Então, os inibidores da LDH seriam os primeiros medicamentos antiepilépticos a imitar as dietas cetogênicas", segundo um trecho do artigo.

Os pesquisadores testaram 20 medicamentos antiepilépticos e determinaram que apenas um, o estiripentol, inibiu a LDH até certo ponto. Em um estudo mais aprofundado do medicamento, foi identificada uma subestrutura, o isosafrol, que inibe a produção do lactato.

A pesquisa sugere que os derivados do estiripentol poderiam dar lugar a melhores tratamentos para a epilepsia resistente aos medicamentos. A tese do estudo é que há provas suficientes de que "elementos não excitáveis" do sistema nervoso central (os astrócitos, o sistema vascular e o sistema imunitário) têm um papel mais importante do que se pensava até agora no tratamento da epilepsia.

Aproximadamente, 1% da população mundial tem epilepsia, mas os medicamentos disponíveis atualmente só são efetivos para dois terços dos pacientes. Os cientistas debatem, agora, se o enfoque do desenvolvimento de novos tratamentos tem que ser o tradicional, centrado nos neurônios, ou os que agem no metabolismo.

Os pesquisadores que assinam este estudo são Nagisa Sada, Takashi Katsu e Tsuyoshi Inoue, da Universidade de Okayama; e Suni Lee e Takemi Otsuki, da Universidade Yasuda Women"s, ambas no Japão.

Fonte: Dikajob
Foto: www.drugoffice.gov.hk

Nenhum comentário:

Postar um comentário