sábado, 13 de junho de 2015

Efeitos da ocitocina semelhantes aos do álcool

A ocitocina é um hormônio produzido no hipotálamo e armazenada na neurohipófise posterior. É conhecida como o “hormônio do amor” dado o seu papel nas interações românticas, no trabalho de parto, no vínculo afetivo entre mãe-bebê, entre outras coisas. Tem influência também em certos comportamentos sociais, como o altruísmo, a generosidade e a empatia e no sentimento de confiança que temos uns nos outros. 

Um grupo de investigadores da Universidade de Birmingham, no Reino Unido, descobriu uma nova associação interessante. Aparentemente, os efeitos comportamentais provocados pela ocitocina são semelhantes aos efeitos exercidos pelo álcool.

Ian Mitchell, da Escola de Psicologia da Universidade de Birmingham, explica que a ocitocina e o álcool parecem ter um impacto semelhante na transmissão de ácidos gama-aminobutíricos no córtex pré-frontal e nas estruturas límbicas. Segundo o autor do estudo, “estes circuitos neurais controlam a forma como experienciamos o stress e a ansiedade, especialmente em contextos sociais, como entrevistas, e influenciam até a forma como ganhamos coragem para convidar alguém para sair. A ocitocina e o álcool podem tornar este tipo de situações menos assustadoras”. 

Portanto, a ocitocina, quando administrada pela via nasal, é capaz de inibir as nossas ansiedades tal como quando tomamos uma bebida. 

No entanto, os investigadores alertam que ninguém deve cair na tentação de se automedicar com este hormônio.

Ainda que este hormônio possa ter alguns efeitos agradáveis, também pode tornar as pessoas mais agressivas e invejosas e diminuir a sensação de medo, fazendo correr riscos desnecessários.

Os investigadores não preveem que este hormônio seja um dia usado como uma alternativa ao álcool, mas acreditam que a ocitocina poderá vir a ser importante no tratamento de determinadas condições psicológicas e psiquiátricas.

Vale a pena, por isso, continuar a aprofundar o estudo sobre a ocitocina para melhor perceber o seu impacto no comportamento humano e como determinados pacientes poderão vir a beneficiar dela. 

Fonte: ALERT Life Sciences Computing, S.A. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário