terça-feira, 30 de junho de 2015

Medicamento bloqueia vício em álcool e drogas com experimento

Pesquisadores da Universidade do Texas em Austin conseguiram bloquear o vício de um grupo de ratos em álcool e drogas utilizando um medicamento já conhecido, geralmente indicado para o tratamento de alta pressão arterial. 

Se aprovado em humanos, o tratamento seria o pioneiro com esse propósito – ajudar a prevenir recaídas ao apagar memórias inconscientes por trás do vício.

No experimento, ratos foram treinados para associar uma sala branca ou preta ao uso de uma droga – uma dose de álcool ou cocaína. 

Em um segundo momento, quando os ratos viciados eram induzidos a escolher qual das salas entrar, eles quase sempre escolhiam a sala anteriormente associada ao seu vício.

Na etapa seguinte, os cientistas deram aos ratos viciados, antes de fazer a escolha, uma alta dose de um medicamento anti-hipertensivo chamado isradipina. 

Eles observaram que, após poucos dias, os ratos deixaram de mostrar preferência por aquela sala que antes era ligada às drogas. 

Mais do que isso, aquele grupo medicado com isradipina mostrou falta de preferências, levando os pesquisadores a concluir que a memória do vício não apenas havia sido reprimida – ela tinha desaparecido.

"A isradipina apagou memórias que os levaram a associar uma determinada sala com a cocaína ou o álcool", disse Hitoshi Morikawa, professor associado de neurociência na Universidade do Texas, em comunicado.

O estudo, publicado no periódico Molecular Psychiatry, condiz com outras pesquisas que já mostraram que dependentes em recuperação podem ter uma recaída quando inseridos em contexto que os associam ao vício – pessoas, lugares, sons e demais fatores que despertam a memória.

No entanto, como um dos efeitos da isradipina é baixar a pressão arterial, os cientistas analisam a possibilidade de conduzir simultaneamente um controle para que esse índice não fique baixo demais.

Por: Giovanna Rossin de INFO Online 
Fonte: Exame 
Foto: https://it.wikipedia.org/wiki/Isradipina

Nenhum comentário:

Postar um comentário