segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Aroeira com nanotecnologia vira tratamento ginecológico

Aroeira

A aroeira-preta, ou aroeira-do-sertão, é uma das principais plantas utilizadas na medicina tradicional nordestina para o tratamento de várias doenças.

O extrato do caule da árvore é bastante utilizado sob a forma de semicúpio ("banho-de-assento") após o parto, sendo também indicado no tratamento de cervicites, vaginites, hemorroidas, bem como anti-inflamatório e cicatrizante natural.

As propriedades fitoquímicas e biológicas dessa planta estimularam uma maior investigação sobre os compostos biologicamente ativos, com aplicabilidades nas áreas de tratamento de doenças crônicas.

Bruna Bonifácio e Taís Bauab, da Unesp de Araraquara (SP), usaram o extrato hidroalcoólico das folhas de aroeira para desenvolver um novo tratamento para candidíase vulvovaginal.

Nanotecnologia

O tratamento fitoterápico inclui um avançado sistema lipídico de encapsulamento desenvolvido com nanotecnologia. O uso de sistemas lipídicos nanoestruturados permite uma melhor solubilização do extrato hidroalcoólico, potencializando, assim, sua ação farmacológica.

Atualmente o tratamento da candidíase inclui o uso de medicamentos como fluconazol, cetoconazol, miconazol. "Recentemente, os derivados azólicos vêm sendo cada vez menos eficazes no tratamento de doenças fúngicas, pois estão fortemente associados aos quadros de resistência microbiana", explica Bruna .

A pesquisa está em fase pré-clínica e o pedido de patente foi realizado pela Agência Unesp de Inovação. "Ainda não podemos afirmar que esta tecnologia pode ser considerada um medicamento, visto que as experimentações passaram apenas por estudos in vitro e in vivo em animais," disse Bruna, referindo-se à necessidade de realização dos testes clínicos em humanos.

Fonte: Diário da Saúde 


Nenhum comentário:

Postar um comentário