segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Luz elimina bactéria causadora de infecção hospitalar

Luz antibacteriana

Pesquisadores do Instituto de Física da USP de São Carlos (IFSC) criaram um aparelho que utiliza a ação da luz para eliminar bactérias causadoras de infecções em pacientes intubados.

Os tubos colocados nos pacientes são revestidos com um filme plástico fotossensível. Em contato com a luz, o filme transforma o oxigênio na superfície do tubo em um composto reativo que mata as bactérias.

O processo utiliza a ação fotodinâmica e o guiamento da luz para evitar a formação de colônias de bactérias.

"LEDs e Lasers injetam luz no material e as paredes ficam como que iluminadas, promovendo a fotorreação. É o oxigênio reativo que elimina as bactérias que aderem à superfície, impedindo a formação de colônias e o desenvolvimento de quadros infecciosos," explica o professor Vanderlei Salvador Bagnato, que coordenou o desenvolvimento do aparelho.

A técnica, que agora será submetida a testes clínicos para permitir seu uso em materiais médicos e hospitalares, já foi patenteada pelos pesquisadores.

Riscos da intubação


"O paciente intubado sofre quase que inevitavelmente com infecções causadas pela presença de um corpo estranho em seu organismo," conta o professor Vanderlei Salvador Bagnato, que coordenou o desenvolvimento do aparelho. "A intubação leva à nucleação de colônias de bactérias, que provocam infecções como a pneumonia, na maioria dos pacientes."

Com a nova técnica, o tubo colocado no paciente funciona também como um guia para a luz que irá matar as bactérias. O material de revestimento não agride as mucosas do corpo humano.

A pneumonia causada pelas bactérias do gênero Streptococcus é considerada a principal causa de infecção hospitalar em pacientes submetidos a internação - cerca de 40% das mortes são causadas por infecções pulmonares.

O protótipo foi submetido a testes in vitro, em colônias de bactérias cultivadas em laboratório. Os testes clínicos deverão começar até o final do ano.

Fonte: Diário da Saúde - Com informações do IFSC

Nenhum comentário:

Postar um comentário