quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Luta contra o Câncer de Próstata

O que é o câncer de próstata?

É o resultado de uma multiplicação desordenada das células da próstata. Quando há presença de câncer, a glândula endurece. Na fase inicial, o câncer de próstata não tem sintomas. Em 95% dos casos, eles aparecem em estágio avançado.

Portanto, exames preventivos frequentes são fundamentais para que a doença não seja descoberta em estado avançado. Homens a partir dos 50 anos de idade (ou 45, se houver casos de câncer de próstata na família), devem procurar um urologista anualmente para realizar os exames preventivos.

Um desses exames é o toque retal. O exame é rápido e indica se a próstata apresenta algum tipo de alteração. Caso a alteração seja detectada, o médico pode solicitar outros exames para confirmar o diagnóstico, como o PSA (Antígeno Prostático Específico), o ultrassom transretal e a biópsia da glândula, que consiste na retirada de fragmentos da próstata para análise. Só então é feito o diagnóstico.

As causas do câncer de próstata

Ainda são desconhecidas. Embora normalmente apareça em homens com mais de 65 anos de idade, as chances de desenvolver a doença aumentam em até 50% se já houve algum caso de câncer de próstata na família, como pai ou irmão.

Outros fatores, como o estilo de vida, alimentação inadequada à base de gordura animal e pobre em frutas, legumes, verduras e grãos também podem interferir no surgimento da doença.

O que é a próstata?


Apesar de pequena, do tamanho de uma castanha, a próstata tem uma grande responsabilidade. É uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen, abaixo da bexiga e na frente do reto.

Produz cerca de 70% do sêmen, líquido espesso que contém os espermatozoides e é liberado durante o ato sexual. É uma substância fundamental para a vitalidade do homem e, portanto, representa um papel fundamental na fertilidade masculina.

A próstata apresenta consistência firme e homogênea ao toque. O câncer ocorre quando as células da região começam a se multiplicar de forma desordenada e ela fica, então, mais endurecida.

Sintomas

Em sua fase inicial, o câncer da próstata tem uma evolução silenciosa. Por isso, muitos homens não apresentam nenhum sintoma ou, quando apresentam, são semelhantes aos do crescimento benigno da próstata, também chamado de HPB.

Quando alguns sinais começam a aparecer, 95% dos tumores já estão em fase avançada, dificultando a cura.

Confira os sintomas que são suspeitos e merecem uma consulta ao médico:

• A sensação de que sua bexiga não se esvaziou completamente e ainda persiste a vontade de urinar.
• Dificuldade de iniciar a passagem da urina.
• Dificuldade de interromper o ato de urinar.
• Urinar em gotas ou jatos sucessivos.
• Necessidade de fazer força para manter o jato de urina.
• Necessidade premente de urinar imediatamente.
• Sensação de dor na parte baixa das costas ou na pélvis (abaixo dos testículos).
• Problemas em conseguir ou manter a ereção.
• Sangue na urina ou no esperma (esses são casos muito raros).
• Dor durante a passagem da urina.
• Dor quando ejacula.
• Dor nos testículos.
• Dor lombar, na bacia ou nos joelhos.
• Sangramento pela uretra.

Câncer de próstata avançado

Na fase muito avançada, o câncer de próstata pode provocar dor óssea, sintomas urinários ou, quando mais grave, infecção generalizada ou insuficiência renal.

Por isso, é importantíssimo que os homens desenvolvam o hábito de prestar atenção ao seu organismo para observar sintomas repentinos e alterações. Assim, podem procurar um médico para tirar dúvidas, ser orientados e tratados.

A ausência dos sintomas não garante que não há problemas com a saúde do homem. Portanto, realize os exames preventivos anualmente e fique atendo para mudar os fatores de risco que independem da genética!

Tratamento

Os tratamentos do câncer de próstata devem ser individualizados e únicos de acordo com as necessidades de cada paciente, levando-se em conta a idade, o estadiamento do tumor, o grau histológico, o tamanho da próstata, as comorbidades (existência de duas ou mais patologistas em um mesmo paciente), a expectativa de vida, os anseios do paciente e os recursos técnicos disponíveis.

O câncer de próstata pode ser localizado (só afetando a próstata), localmente avançado ou avançado (o câncer já se moveu para além dos limites da próstata).

Escore de Gleason

Quanto mais baixo é o escore de Gleason, melhor será o prognóstico do paciente. Para se obter o escore total, que varia de 2 a 10, o patologista gradua de1 a 5 as duas áreas mais frequentes do tumor e soma os resultados.

Escores entre 2 e 4 significam que o câncer provavelmente terá um crescimento lento. Escores intermediários, entre 5 e 7, podem significar um câncer de crescimento lento ou rápido e este crescimento vai depender de uma série de outros fatores, incluindo o tempo durante o qual o paciente tem o câncer. Escores do final da escala, entre 8 e 10, significam um câncer de crescimento muito rápido.

Gleason de 2 a 4 – Existe cerca de 25% de chance de o câncer disseminar-se para fora da próstata em 10 anos, com dano em outros órgãos, afetando a sobrevida. Gleason de 5 a 7 – existe cerca de 50% de chance de o câncer disseminar-se para fora da próstata em 10 anos, com dano em outros órgãos, afetando a sobrevida.

Gleason de 8 a 10 – Existe cerca de 75% de chance de o câncer disseminar-se para fora da próstata em 10 anos, com dano em outros órgãos, afetando a sobrevida. É sempre recomendável e também fundamental no estadiamento da doença, bem como para definição do tratamento.

Vigilância Ativa: acompanha a velocidade do desenvolvimento da doença. Se o crescimento for lento, evita-se tratamentos desnecessários. Este procedimento é usado em diagnóstico precoce.

Cirurgia radical: aberta (clássica) | Laparoscópica | Robótica

Radioterapia: mata as células cancerosas por radiação.

Terapia Hormonal: baixa os níveis dos hormônios masculinos que estimulam o crescimento do tumor.

Terapia multímodas: para pacientes com tumores agressivos e avançados.

Outras formas de tratamento

Existem outras opções mais raras para o tratamento do câncer de próstata

Bisfosfonatos: é um grupo de drogas que pode ser usado por homens portadores de câncer de próstata que se tenha espalhado pelos ossos. Não tratam o câncer, mas auxiliam na redução dos sintomas.

Crioterapia: congelamento da próstata. Esse tipo de tratamento ainda está em fase experimental.

Quimioterapia: é realizada à base de drogas específicas que destroem as células do câncer. Esse tipo de tratamento pode ser usado em casos em que o câncer de próstata já se espalhou para além dos limites da glândula e não está mais respondendo à terapia hormonal. Homens em estágios iniciais da doença também podem ser submetidos a este tipo de tratamento.

Ultrassom Concentrado de Alto Intensidade: ondas de ultrassom de alta frequência são utilizadas para aquecer e destruir células cancerosas. Este tipo de tratamento ainda está em fase experimental. Se estiver no estágio localmente avançado ou avançado, pode ser oferecida a alternativa de terapia hormonal, sozinha ou em combinação com outras alternativas de tratamento.

Diagnóstico

Tendo desconfiança em relação à presença do câncer de próstata, o paciente deve procurar um urologista de confiança para que ele indique exames básicos para detectar o câncer de próstata.

De acordo com os especialistas, juntamente com o histórico familiar, o toque retal é a forma mais segura de detectar anormalidades. É utilizado para diagnosticar qualquer anormalidade na próstata. De acordo com os especialistas, o exame do toque retal deve ser realizado por homens acima de 50 anos. Dura aproximadamente 10 segundos, é simples e praticamente indolor,além de não afetar a masculinidade. É sempre recomendável e também fundamental para detectar o estágio da doença, bem como para definição do tratamento.

PSA (antígeno prostático específico): é a dosagem de uma proteína do sangue por meio de exame de sangue. O valor limite do PSA aceitável é abaixo de 4 ng/ml, porém pode existir tumores com PSA abaixo deste valor. Quando o PSA estiver acima de 10 ng/ml há indicação formal para biópsia. Para valores entre 4 – 10 ng/ml, deve-se também levar em consideração a velocidade do PSA e a relação PSA livre/total.

Ultrassom Transrretal: pode ser usado para orientar a biópsia da próstata. Também pode ser útil na determinação do volume prostático e para avaliar a extensão local da doença.

Cintilografia Óssea: é fundamental na identificação do estágio do câncer da próstata, sendo altamente sensível, porém pouco específica. É indicada em todo paciente portador de câncer da próstata com PSA > 20 ng/ml e PSA entre 10 -20 com graduação histológica de Gleason > 7.

Importante salientar que, sem tratamento adequado, o câncer de próstata pode se espalhar para outros órgãos do corpo (metástase).

Cada tipo de câncer tem uma história natural e evolução peculiares. Um mesmo órgão pode ter vários tipos de doenças malignas, com distintos graus de gravidade. Também é distinta a evolução de tumores de mesma linhagem celular quando acometem órgãos diferentes.

De maneira geral, não existe um caso igual a outro: a idade do paciente, o estado geral em que se encontra, a extensão da positividade na biópsia, o tipo de diferenciação das células (se elas se parecem com a glândula original ou não), são algumas das variáveis para análise da gravidade de caso.

Prevenção e Detecção Precoce

O câncer de próstata não pode ser prevenido, mas há 90% de chances de cura quando diagnosticado precocemente. Assim, realizar exames periodicamente é a melhor maneira de se prevenir contra a doença. Sociedades médicas recomendam que homens a partir dos 50 anos de idade façam o exame de próstata anualmente, e acima dos 45, caso esteja inserido nos fatores de risco.

O ritual compreende o toque retal e o exame de sangue, para checar a dosagem do PSA (antígeno prostático específico). Havendo alguma suspeita, o paciente deve se submeter à biópsia da próstata. O toque retal é considerado indispensável e não pode ser substituído pelo exame de sangue ou por qualquer outro exame, como o ultrassom. Somente com o resultado dessa análise do tecido é que poderá ser fornecido o diagnóstico.

Sabe-se que uma mudança no estilo de vida é crucial para aumentar a sobrevida, incluindo uma alimentação saudável e a prática de atividades físicas no dia a dia.

Quando você for ao médico esteja preparado

Algumas dicas de como se preparar para a conversa com seu médico:

- Escreva todos os sintomas que está sentindo, mesmo que não pareça estar associado à razão da consulta médica. Caso não sinta absolutamente nada, mas esteja na faixa etária dos 50 anos, não deixe de fazer a consulta. Ela é importante para que você faça os exames preventivos.
- Faça uma lista das medicações que você usa, incluindo vitamias ou suplementos alimentares.
- Convide um amigos ou parente próximo para ir com você ao médico. Isso será importante para ajudá-lo a lembrar de tudo que for discutido.
- Se tiver resultados de exames feitos recentemente leve-os. Podem ser uma referência importante na hora do médico levantar o seu histórico.
- Avise o médico se houver pessoas na sua família que tiveram câncer de próstata. Menos de 10% dos cânceres de próstata têm algum componente hereditário.

E não se esqueça de esclarecer as dúvidas com relação ao câncer de próstata.

Veja as principais perguntas:

- Os sintomas que eu sinto podem significar câncer de próstata?
- Só com o exame de toque retal é possível saber se tenho algum tumor?
- O PSA é um complemento ao exame de toque retal?
- De quanto em quanto tempo preciso repetir os exames?

O impacto que pode acontecer, dependendo de cada caso, provocado pelo câncer de próstata e pelo tratamento na vida dos homens:

- Alteração na qualidade de vida
- Crise de identidade ao confundir masculinidade com desempenho sexual
- Sofrimento emocional com a retirada dos testículos
- Limitações físicas
- Diminuição da capacidade de ereção, cansaço, fadiga

Fatores de risco

Sabe-se pouco sobre a maioria dos fatores de risco em relação ao câncer de próstata, já que os estudos epidemiológicos têm encontrado resultados inconsistentes. As justificativas que norteiam a detecção precoce da doença, assim como de qualquer outro tipo de câncer é que, quanto mais inicialmente for diagnosticado, maiores serão as chances de cura, além de permitir um tratamento menos agressivo e mutilante. Confira alguns fatores de risco!

Hereditariedade

Vários fatores podem ser responsáveis pelo câncer de próstata, e a hereditariedade é um deles. 
Na presença de algum desses critérios, o risco de desenvolver a doença é de 50%:
- Três ou mais parentes de primeiro grau são afetados
- Dois parentes de primeiro forem diagnosticados antes dos 55 anos de idade
- Quando acontecer em três gerações consecutivas (avô, pai e filho)

Idade

Assim como em outros tipos de câncer, a idade é um marcador de risco importante, ganhando um significado especial no câncer da próstata, uma vez que tanto a incidência como a mortalidade aumentam exponencialmente após os 50 anos. Portanto, homens acima dos 50 – ou 45 se fizerem parte do grupo de risco – devem ir ao urologista anualmente.

Alimentação

A influência da alimentação sobre a gênese do câncer ainda é incerta, não sendo conhecidos os exatos componentes ou mecanismos pelos quais ela pode influenciar o desenvolvimento da doença.

As evidências apontam que uma dieta rica em frutas, verduras, legumes, grãos e cereais integrais e pobres em gordura, principalmente as de origem animal, não só ajuda a diminuir o risco de câncer, como também o risco de outras doenças crônicas não transmissíveis.

Também tem sido apontada uma relação positiva entre o alto consumo energético total e ingestão de carne vermelha, gorduras e leite e o risco de câncer da próstata. Por outro lado, o consumo de frutas, vegetais ricos em carotenoides (como o tomate e a cenoura) e leguminosas (como feijões, ervilhas e soja) tem sido associado a um efeito protetor.

Além desses, alguns componentes naturais dos alimentos, como as vitaminas (A, D e E) e minerais (selênio), também parecem desempenhar um papel protetor. Já outras substâncias geradas durante o preparo de alguns alimentos, como as aminas heterocíclicas e hidrocarbonetos policíclicos aromáticos, têm sido consideradas como componentes da dieta que poderiam aumentar o risco de câncer da próstata.

Hábitos de vida

Outros fatores cujas associações com câncer da próstata foram detectadas em alguns estudos incluem o “fator de crescimento análogo à insulina” insulin-like growth factor, consumo excessivo de álcool e tabagismo. Homens com sobrepeso e obesos também possuem maior risco de desenvolver câncer de próstata.

Com informações de Novembro Azul 


Nenhum comentário:

Postar um comentário