terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Abuso de antibióticos na pecuária é ameaça mundial

O uso excessivo de antibióticos na pecuária se tornou uma grande ameaça à saúde pública mundial e deve ser reduzido drasticamente, alerta um estudo encomendado pelo governo britânico. De acordo com a análise algumas infecções estão ficando impossíveis de se tratar, devido ao abuso dessas substâncias na criação de animais destinada à produção alimentícia.

Mais da metade do volume de antibióticos no mundo é usada em animais, muitas vezes para tratar infecções, mas, frequentemente, para fazê-los crescer rapidamente, diz a análise intitulada “Revisão da resistência antimicrobiótica”.

Assim como o uso excessivo de antibióticos em humanos está levando ao aparecimento de superbactérias, resistentes a esses medicamentos, o mesmo acontece na agropecuária. O estudo reconhece que o emprego adequado dessas substâncias por fazendeiros tem vantagens no tratamento de infecções e traz benefícios à produção. Mas o excesso disso é um grande problema para a população mundial.

“Eu acho assustador que em diversos países, o uso de antibióticos em animais é muito maior do que em humanos. Isto cria um grande risco para todos, como ficou claro recentemente quando, na China, descobriram bactérias resistentes à colistina, um importante antibiótico usado apenas como último recurso”, criticou o economista Jim O´Neill, ex-CEO do grupo financeiro Goldman Sachs, coordenador da análise.

Cientistas advertiram a comunidade internacional sobre a iminência de uma “era pós-antibiótica” depois da descoberta da bactéria resistente à colistina, usada apenas quando todos os outros medicamentos falharam no combate a uma doença. Esta resistência, ao que tudo indica, desenvolveu-se em animais de fazenda antes de ser detectada em pacientes em hospitais chineses.

Baseando-se por números atuais, o consumo de antibióticos no mundo deve aumentar em 67% até 2030. Somente nos EUA, mais de 70% do uso de antibióticos é voltado para animais. Segundo O´Neill, uma taxa razoável seria o que vem sendo atingido pela Dinamarca, onde são empregados no máximo 50mg de antibiótico por quilo de animal.

Com informações de O Globo

Nenhum comentário:

Postar um comentário