terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Conceitos Básicos Farmacêuticos

Medicamento: Substância química capaz de promover no organismo ação preventiva, curativa, paliativa ou diagnóstica.

Medicamento Simples: É aquele que contém em sua fórmula um único sal.

Medicamento Composto: É aquele que contém em sua fórmula dois ou mais sais.

Princípio Ativo/Sal: Substância que irá exercer a ação terapêutica no organismo.

Dose: Quantidade do medicamento que deverá ser aplicada ou tomada, por vez.

Dosagem/Concentração: É a quantidade do princípio ativo no medicamento, ou seja, princípio ativo + excipiente/veículo.

Excipiente/Veículo: Substância que não possui ação terapêutica e que tem por função dar forma e volume ao medicamento.
Excipiente: Forma farmacêutica sólida
Veículo: Forma farmacêutica líquida 

Forma Farmacêutica: São várias formas de industrialização do medicamento (comprido, pomada, xarope, etc)

Reações Adversas: Efeitos indesejados causados pelo medicamento em uso.

Efeitos Colaterais: Possíveis reações que poderão ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfico ou maléfico.

Uso Interno: Todo o medicamento que é engolido, ou seja, passa por todo o sistema digestivo.

Uso Externo: Todo o medicamento que não é engolido.

Ação Local: Região onde o medicamento fará efeito, sem cair na corrente sanguínea.

Ação Sistêmica: O medicamento precisa cair na corrente sanguínea para fazer efeito.

Apresentação: São as várias formas em que os medicamentos são embalados (envelope, ampola, blister  etc)

Vias de Ação Rápida: 
Sublingual – administração debaixo da língua.
Endovenosa – administração direto na veia. 
Retal – administrados pelo reto (ânus).
Vaginal – administrado pelo canal vaginal.

Parenteral: É a administração do medicamento através dos injetáveis: Endovenosa, muscular, subcutânea e intradérmica.

Características Diferenciais Entre Algumas Formas Farmacêuticas

Loção: Medicamento composto por água, álcool, glicerina, sorbitol e o princípio ativo.

Creme: Forma farmacêutica de consistência mole destinada ao uso tópico e difere das pomadas por possuir grande quantidade de água em sua formulação, e por isso apresenta absorção mais rápida. Ideal para lesões úmidas.

Pomadas: Forma farmacêutica de consistência mole e oleosa destinada ao uso tópico. Devido a sua oleosidade, a absorção do princípio ativo pode ser mais lenta, porém de efeito local mais prolongado. Possui poder hidratante e é ideal para lesões secas.

Gel: Forma farmacêutica que possui grande quantidade de água em sua formulação, o que proporciona uma absorção mais rápida se comparar com creme e pomada. O Gel em si não é absorvido pela pele, sendo utilizado quando a pele do indivíduo for oleosa.

Pasta: Forma farmacêutica de consistência pastosa para uso externo.

Emulsão: Forma farmacêutica líquida com base aquosa e oleosa contendo o princípio ativo em uma delas.

Supositório: Forma farmacêutica sólida ou semi–sólida de formato cilíndrico ou ovulado destinado à aplicação retal.

Óvulo: Forma farmacêutica de uso vaginal, cujo os princípios ativos são incorporados à gelatina fundida e moldados em formas específicas.

Colutório: Forma farmacêutica líquida destinada à higiene bucal (anti-sépticos orais). Não devendo ser engolido.

Licor/Elixir: Misturas hidroalcoólicas açucaradas. O termo licor é utilizado quando ligado à frutas.

Tintura: Forma farmacêutica líquida à base de água e álcool. Processo de extração a partir da planta seca.

Alcoolatura: Processo de extração a partir de planta frescas.

Extratos: São alcoolaturas ou tinturas padronizadas utilizadas na concentração do fármaco.

Colírio: Forma farmacêutica líquida e estéril destinada ao uso oftálmico.

Enema: Forma farmacêutica líquida de uso retal. São divididos em medicamentoso e laxativo.
Laxativo/purgativo – utilizado para estimular a eliminação das fezes. O purgativo é o laxativo usado em maior quantidade.
Medicamentoso – utilizado para fazer tratamento de infecções a nível de intestino.

Pó: Forma farmacêutica em que o princípio ativo encontra-se pulverizado, podendo ser destinado ao uso interno ou externo.

Adesivo Tópico: Adesivo de material poroso que libera lentamente o medicamento através da pele.

Xarope: Forma farmacêutica líquida resultante da mistura de água e açúcar, podendo conter também edulcorantes (morango, framboesa).

Suspensão: Forma farmacêutica heterogênea, resultante da mistura de líquidos ou líquidos e sólidos.

Solução: Forma farmacêutica líquida homogênea, resultante da mistura de líquidos ou líquidos sólidos.

Injetáveis: Formas farmacêuticas estéreis para uso parenteral.

Comprimido Simples: Forma farmacêutica sólida resultante da compressão de vários pós (princípio ativo + excipiente). Apenas os comprimidos  sulcados poderão ser cortados.

Comprimido Mastigável: Forma farmacêutica absorvida pela mucosa bucal, não reagindo com o suco gástrico.

Comprimido Sublingual: Comprimido de ação rápida.

Comprimido Vaginal: Comprimido revestido por uma película de gelatina glicerinada para uso na vagina.

Comprimido Tamponado: Comprimido laqueado por uma película protetora de hidróxido de alumínio ou hidróxido de magnésio, permitindo a utilização deste medicamento por pessoas que sofram de gastrite ou úlcera.

Comprimido Fervescente: Composto por talco, amido, lactose e bicarbonato de sódio ou carbonato de cálcio + princípio ativo.

Comprimido Revestido: Comprimido que passou por um processo de revestimento com açúcar.

Drágea: Forma farmacêutica sólida cujo o núcleo é um comprimido que passou por um processo de revestimento com açúcar e corante (drageamento).

Cápsulas: Forma farmacêutica constituída de um invólucro de gelatina, que contém em seu interior os excipientes + princípios ativos. Podendo ser:
Moles: contém medicamento oleoso
Duras: Contém medicamentos granulados ou pós.

Oros: Sistema oral de liberação osmótica. É umas cápsulas não absorvíveis, contendo um pequeno orifício que libera gradativamente a substância e que no final é eliminado pelas fezes.

Comentários: O encapsulamento e o drageamento tem por finalidade mascarar o sabor, odor, proteger a mucosa gástrica de substâncias irritantes e, ainda,  evitar  que o princípio ativo seja destruído pelo suco gástrico.

Noções Básicas Para o Uso de Medicamentos

Sempre que avir uma receita, perguntar ao cliente se o médico o orientou. Se tiver recebido orientações ou não, deverá presta-lhe, de forma segura.

Orientações:

Comprimido Simples
Tomar com bastante água
Tomar os anti-inflamatórios de estômago cheio

Comprimido Sublingual
Colocar o comprimido debaixo da língua
Não ingerir líquidos ou alimentos durante 10 minutos

Comprimido Tamponado
Tomar o comprimido sem mastigar e com bastante água.

Comprimido Mastigável
Não Engolir
Mastigar até que o mesmo se desintegre totalmente na boca.

Comprimido Efervescente
Tomar dissolvido em um copo com água, esperando sua total dissolução. Nunca passar ou colocar para dissolver sobre a língua, uma vez que sua ação ácida pode provocar queimaduras de 1° grau na mucosa da boca.

Antibióticos
Nunca tomar fazendo uso de bebida alcoólica.
Nunca tomar junto com anti-ácidos.
Tomar com bastante água.
Obedecer diariamente os horários e n° de dias de tomada. O desrespeito do horário e do tempo de tomada poderá permitir o retorno da infecção com muito maior resistência.

Drágea
Tomar com bastante água.
Nunca mastigá-las ou parti-las.
Lembre ao cliente que o princípio ativo não combina com suco gástrico, tendo de ser absorvido na mucosa intestinal.

Cápsulas
Tomar com bastante água.
Nunca abrir os dois cilindros. São películas de gelatina; seu rompimento irrita o tubo digestivo, principalmente em sua parte superior.

Comprimido/Creme Vaginal
Fazer higiene vaginal externa com água e sabão antes da aplicação.
Colocar no aplicador o comprimido ou creme.
Deitar em posição ginecológica (barriga para cima e pernas dobradas).
Afastar com uma das mãos os grandes e pequenos lábios.
Introduzir o aplicador até que o mesmo toque o fundo do canal vaginal
Empurrar o êmbolo.
Retirar o aplicador e permanecer na posição inicial por 3 minutos.
Lavar o aplicador e guardar na caixa, caso o mesmo não seja descartável.

Óvulos
Mesmas instruções usadas para comprimidos ou cremes vaginais, usando a dedeira no dedo indicador direito após ter lavado as mãos. Caso o invólucro do óvulo volte após 3 minutos, tendo o mesmo se rompido, basta jogar fora, uma vez que o medicamento já foi desintegrado no canal vaginal.

Supositório Infantil
Caso esteja mole ao aplicar, colocar na geladeira por 10 minutos.
Nunca cortar o supositório ao meio, por achar que o mesmo é grande.
Ele se molda no reto à medida que é introduzido.
Orientar para não fazer força ao evacuar.
Lavar as mãos.
Posicionar a criança de barriga para baixo.
Usar luvas para pegar o supositório.
Introduzir lentamente o supositório no reto, comprimindo as duas nádegas por 3 minutos.

Cremes Contendo Em Sua Formulação Cortisona
Só usar em áreas superficiais.
Não utilizar caso a pele esteja lesada, ou seja, ferida, pois ela poderá abrir ainda mais o ferimento.

Pomada
Só poderá ser aplicada em lesões limpas, sem pus ou infecção, devendo ser aplicada após remoção mecânica da secreção purulenta.

Suspensão
Colocar até a marca indicada no vidro: águas filtradas, minerais sem gás ou água fervida fria.
Homogeneizar (misturar) até dissolver todo o pó.
Caso após a mistura o volume fique abaixo da marca, não adicione mais água.
Administrar conforme orientações médicas.
Guardar na parte baixa da geladeira (porta).
Lembrar que após a reconstituição do pó o prazo de validade passa a ser apenas de 14 dias, devendo ser inutilizado.

Emplastro
Para ter efeito satisfatório, precisa ser trocado diariamente, pois sua ação dura apenas 24 horas.

Vitaminas A, D, E e K
São chamadas de lipossolúveis. Para a sua perfeita absorção, necessitam ser tomadas após a ingestão de alguma substância gordurosa. Ex. Pão com manteiga, leite, queijo etc.

Horário Padrão Para Administração de Medicamentos
De 06 em 06 horas: 6 – 12 – 18 – 24h 
De 08 em 08 horas: 6 – 14 – 22h ou 7 – 15 –23h
De 12 em 12 horas: 8 – 20h 
Diuréticos: 10h

Receita Médica

Não aviar se não tiver certeza.
Ligar para o médico do cliente caso haja dúvida.
Se receber a receita sem a dosagem do medicamento (concentração), não sendo possível certificar-se da mesma, confirmar com o médico.

Classes Terapêuticas

Analgésicos
Conceito - medicamentos empregados para aliviar dor, sem causar a perda da consciência. 
Os analgésicos são divididos em 2 grupos:
FORTES: utilizados para o tratamento de dores intensas. Ex: Tramal, Timasen, Sylador
FRACOS: utilizados para o tratamento de dores suaves e moderadas. Ex: Anador e Doril

Comentários: Ácido acetilsalicílico acima de 1g. Possui efeito anti-inflamatório; dipirona possui efeito anti-espasmódico, cafeína potencializa o efeito analgésico e diminui a sonolência.

Antitérmicos
Conceito – são medicamentos utilizados para aliviar os estados febris, que podem ser causados por inflamações, desidratações e moléstias infecciosas. Ex. Paracetamol, Dipirona e AAS.

Antigripais
Conceito – são medicamentos utilizados para aliviar os sintomas das gripes e resfriados. Geralmente associados, reúnem em sua fórmula analgésicos, antitérmicos, vitamina C e descongestionantes nasais. EX. Coristina D, Apracur e Cheracap.

Antiácidos
Conceito – são medicamentos utilizados para combater o excesso de ácido clorídrico no estômago. No processo digestivo, o estômago produz o ácido clorídrico, além de outras substâncias. Devido a alguns distúrbios, há indivíduos que passam a produzir esse ácido em excesso, provocando dor, queimação (Azia) etc.

Comentários: Os antiácidos aqui citados possuem ação local e praticamente não são absorvidos no intestino, sendo eliminados nas fezes. Os antiácidos de ação local neutralizam rapidamente o excesso de ácido clorídrico do suco gástrico, diminuindo a acidez. EX. AL (OH) + 3HCL -  ALCL3 – 3H2O

Reeducadores Intestinais
Conceito – são medicamentos utilizados para regular a função normal do intestino. São compostos ricos em fibras, normalmente derivados de frutas como mamão, ameixa e tamarindo. Ex. Trifibra Mix, Fiber Bran, Naturetti.

Laxativos e Purgativos
Conceito – são medicamentos que facilitam a eliminação das fezes através de mecanismos variados. São os medicamentos somente variando a dosagem, ou seja, os purgativos são laxantes em maior quantidade.

Mecanismo de ação: aumentam o peristaltismo intestinal – Dulcolax, Gutalax e Laxol.
Lubrificam e estimulam a contração do reto – Sup. De Glicelina
Aumentam o volume do bolo fecal – Fleet enema

Antiflatulentos
Conceito – são medicamentos utilizados para eliminação de gases formados pelo trato gastrointestinal. Os gases são formados normalmente no processo de digestão dos alimentos. Em alguns casos, há formação exagerada de gases devido a problemas associados à alimentação errada, mal funcionamento do estômago e intestinos e, ainda, mastigação incorreta dos alimentos. Ex. Dimeticona

Antiespasmódicos
Conceito – são medicamentos utilizados para diminuir a frequência e a força de contração da musculatura lisa, aliviando assim a dor. Ex. Buscopan e Atroveran

Comentários: Espasmos são contrações involuntárias da musculatura lisa (estômago, intestino, útero e bexiga)

Re-hidratantes Orais
Conceito – são substâncias utilizadas para repor rapidamente água e sais minerais essenciais ao organismo, que passam por processo de desidratação. Ex. Pedialyte, Rehidrat e soro caseiro.

Hepatoprotetores
Conceito - são medicamentos utilizados para a proteção das células do fígado e contribuem para o equilíbrio funcional do mesmo.

Modo de ação: de maneira simplificada, os hepatoprotetores  são substâncias ricas em aminoácidos que são usados pelo fígado na produção de enzimas que irão degradar o álcool e as gorduras ingeridas. São exemplos de hepatoprotetores:

Epocler: Associação de vit. B6 (piridoxina) e aminoácidos
Metiocolin, Xantinon: Vit. B2 e aminoácidos
Eparema:, Cáscara sagrada, Boldo: São colagogos (promovem a excreção da bile armazenada na vesícula biliar) e coleréticos (estimulam a produção da bile pelo fígado)

Antimicóticos e Fungicidas
Conceito – são medicamentos usados no combate a infecções causadas por fungos. Esses medicamentos são amplamente utilizados na clínica humana e veterinária.

Antisséptico
Conceito – são substâncias utilizadas para destruir ou inibir o crescimento de microrganismos. São aplicadas principalmente na pele ou nas mucosas. Podem ser para: 
Higiene Bucal: Cepacol, Flogoral, Listerine e etc.
Higiene Ocular: Água boricada, Colírios como Leri, Lavoolho
Higiene da Pele: Dermacyd, Proderm, Água Oxigenada.

Antisseborréicos
Conceito – são medicamentos destinados a diminuir o acúmulo de gorduras (oleosidade) da pele e do couro cabeludo. São exemplos:
Acne-aid wash, Salisoap sabonete e Dermotivin sabonete (para remover a oleosidade da pele), Denorex, Selsun azul, Polytar etc (para o couro cabeludo).

Comentários: AAS: Limpa e descama
                      Selênio: Antifúngico
                      Enxofre: Diminui a Oleosidade

Pediculicidas
Conceito – são substâncias utilizadas no tratamento da infestação parasitária da pele causada pelo o piolho, que pode ocorrer na cabeça, no corpo e na região genital. São exemplos de pediculicidas:

Específico para a cabeça: Kwell, Toppyc
Específico para o corpo e região genital: Arcasan sabonete e Miticoçan sabonete.

Descongestionantes
Conceito – o descongestionante alivia a congestão nasal, diminui a coriza e ressaca a mucosa nasal.

Comentários: O uso prolongado pode provocar inchaço, que é o efeito contrário do desejado, além do ressecamento da mucosa nasal. Não usar por mais de 5 dias consecutivos.

Testes e Diagnósticos
Conceito – são substâncias usadas para examinar o organismo quanto ao desempenho de suas funções. Normalmente, são usados para detectar alterações no organismo. Ex. Predictor e Glicofita.

Vitaminas
Conceito- são substâncias essenciais para o bom funcionamento do organismo. Em geral, são obtidas através de uma dieta alimentar adequada e são necessárias em pequenas quantidades. Alguns produtos apresentam apenas uma ou várias vitaminas associadas. A falta de vitaminas no organismo pode resultar de dietas inadequadas devido à pobreza, ignorância, tabus alimentares, dentição insatisfatória, má absorção alimentar, necessidade aumentada como em mulheres grávidas, lactação, crescimento e certas doenças como o raquitismo.

Comentários: O uso abusivo, além de ser caro, pode levar a manifestações tóxicas e a reações adversas que são específicas para cada vitamina.

VIT. A – Pele, Cabelo, Visão
VIT. B – Musculatura e Nervos, além de participar na formação das hemácias
VIT. C – Radicais Livres e Imunidade
VIT. D – Absorção de Cálcio
VIT. E – Radicais Livres e Fertilidade
VIT. KI – Coagulação

Anti-Anêmicos
Conceitos – São medicamentos usados no combate à anemia. No caso específico da anemia ferropriva, estes medicamentos suprem a carência de ferro no organismo (sulfato ferroso).
Algumas causas da deficiência de ferro: Absorção deficiente, aumento da necessidade (gravidez, lactação e crescimento) e perdas (hemorragias e verminoses ).

Comentários: No sangue existem células chamadas hemácias, entre outras. No interior das hemácias existe uma substância chamada hemoglobina, no qual o ferro é indispensável à sua formação. A principal função da hemoglobina é o transporte de oxigênio para as células do nosso corpo. O ferro é obtido através da dieta alimentar balanceada, pois não é produzido pelo nosso organismo. Portanto, a sua deficiência causa a anemia do tipo ferropriva. Existem ainda outros tipos de anemia, causadas pela deficiência de vit. B12 ou ácido fólico (anemia megaloblástica) e por fatores hereditários (anemia falciforme).

Antibióticos
Conceito – são compostos químicos produzidos por seres vivos e modificados quimicamente em laboratórios, sendo capazes de inibir ou destruir as bactérias.

Comentários: Infecção é a agressão causada por um microrganismo, geralmente bactérias e fungos, ao nosso organismo. O uso de antibióticos prejudica a microbiota intestinal, podendo causar diarreia. Infecções causadas por BACTÉRIAS GRAM POSITIVAS são mais comuns no sistema respiratório e as causadas por GRAM NEGATIVAS, no sistema urinário.

Anti-inflamatórios
Conceito – são medicamentos utilizados para amenizar sintomas como febre, dores e edemas decorrentes de uma agressão ao organismo. Existem, basicamente, duas classes de anti-inflamatórios:

ESTEROIDAIS – Cortisonas (dexametasona, Hidrocortisona etc)
NÃO-ESTEROIDAIS – Cataflan, Piroxican etc.

Corticosteroides
Conceito – o cortisol ou hidrocortisona é o principal corticoide (hormônio) produzido pelo organismo. Ele serve para a síntese de outros corticoides mais potentes. A ação anti-inflamatória do corticoide se deve ao fato deste impedir a produção de substâncias mediadoras da inflamação. Os corticoides prejudicam o processo de cicatrização do organismo, visto que este está intimamente ligado ao processo inflamatório.

Antialérgicos
Conceito – são medicamentos usados principalmente para o controle de certas afecções de fundo alérgico.

Comentários: Os antialérgicos podem pertencer a uma das seguintes classes de medicamentos: anti-histamínicos, glicocorticoides e outros fármacos como a epinefrina e a pseudoepinefrina.
O cloridrato de fexofenadina é o único anti-histamínico não sedativo, pois o mesmo não atravessa a barreira hemato-encefálica.

Antidiarreicos
Conceito – a diarreia é a eliminação das fezes numa consistência mais líquida. Os antidiarreicos são medicamentos usados no tratamento da diarreia resultante de infecções, ingestão de alimentos estragados, alergias etc.

Comentários:  Kaomagma – recupera a consistência do bolo fecal
                      Floratil – recupera a flora intestinal
                      Imosec – diminui a motilidade intestinal, usado em diarreias de origem emocional ou não infecciosa.

Emolientes
Conceito – usados para suavizar/lubrificar a pele e a mucosa exercendo ação protetora. Exemplo: óleo de amêndoas, manteiga de cacau.

Comentários: Há também os emolientes utilizados para remover o excesso de cera do ouvido, como o Cerumim e Oticerin.

Otológicos
Conceito – São medicamentos utilizados em dores de ouvido que podem estar geralmente associados a infecções. Ex. Lidosporin, Otosynalar etc.

Antieméticos
Conceito – são drogas que impedem ou aliviam sintomas de ânsia de vômito. O vômito é um mecanismo normal de defesa do organismo.

Comentários: em caso de vômito e diarreia concomitantemente dá-se preferência à metoclopramida, por ter efeito estimulante sobre o trato gastrointestinal, isto é, dificulta o vômito mas facilita o funcionamento intestinal, não prejudicando assim o esvaziamento gástrico.

Disfunção Prostática
Conceito – são medicamentos utilizados quando há um aumento benigno da próstata, ou seja, (HIPERTROFIA BENIGNA DA PRÓSTATA). Ex. Proscar, Finasterida.

Comentários: A Finasterida age inibindo o hormônio diidrosterona responsável pelo crescimento da próstata.

Miorrelaxantes
Conceito – são medicamentos utilizados para o relaxamento da musculatura esquelética. A contração da musculatura deve-se à tensão, ansiedade ou lesões ortopédicas. Existem dois tipos de miorrelaxantes:

MIORRELAXANTES CENTRAIS – agem no SNC controlando o tônus muscular. Ex. Dorflex.
MIORRELAXANTES PERIFÉRICOS – normalmente associados com anestésicos.

Vermífugos
Conceito – para combate aos vermes, pela expulsão ou destruição. Ex. Ascaridil.

Tricomonicidas
Conceito – medicamento utilizado para combater a infecção causada pelo TRICOMONAS.

Comentários: A tricomoníase é uma doença causada por infecção parasitária do trato intestinal ou genito-urinário. A transmissão pode ser direta, através do ato sexual, ou indireta, através de artigos de toalete.

Antiulceroso
Conceito – são medicamentos utilizados no tratamento de úlceras pépticas, gástricas e duodenais, bem como no tratamento de esofagite de refluxo e hemorragia gastrointestinal. Atuam reduzindo a secreção do suco gástrico basal e também após a refeição.

Colírios e Pomadas Oftálmicas
Não se trata de uma classe terapêutica, mas simplesmente de um conjunto importante de medicamentos utilizados para o tratamento de inúmeras patologias que acometem a região ocular.

Conceito – são medicamentos que têm a função de combater alergias, inflamações, infecções ou qualquer outra patologia que ocorra na região dos olhos. São formas estéreis que, após abertas, devem ser usadas por um curto espaço de tempo e descartada a seguir, evitando assim contaminações.

O conservante utilizado no Lacrima (cloreto de bensalcônio) não permite o seu uso por pessoas que usam lentes de contato do tipo gelatinosa.  No entanto, tais pessoas podem fazer uso do Lacrima Plus.

Broncodilatadores
Conceito – medicamentos que promovem uma maior expansão pulmonar, ou seja, broncodilatação, aliviando assim crises de asma e bronquite.

Alguns Broncodilatores:
- Agonistas B-adrenérgicos – Reveni, Berotec e Aerolin
O efeito colateral mais comum é a taquicardia, principalmente em crianças, sendo preferível seu uso através de inalação.

- Metilxantinas – aminofilina e teofilina
Possuem ação mais lenta quando tomadas por via oral. Em asma moderada são usados em associação com outros broncodilatadores.

Antitussígeno / Expectorantes
Conceito – os antitussígenos são medicamentos que ajudam a reduzir a frequência da tosse e os expectorantes servem para eliminar o catarro. A tosse é um reflexo natural de proteção e sua função é expelir substâncias irritantes ou excesso de secreção do trato respiratório.
A sua origem pode ser alérgica, irritativa, infecciosa e de origem psicológica (geralmente em crianças).

Digestivos
Conceitos: agem estimulando a motilidade propulsora gastrointestinal, estimulando a produção e liberação da bile e enzimas pancreáticas ou mesmo fornecendo estas enzimas diretamente.

Comentários: a má digestão pode ocorrer devido a deficiência de varias substâncias participantes do processo digestivo como ácido clorídrico e enzimas necessárias para a degradação dos alimentos, ou por problemas na motilidade do aparelho digestivo.

Anestésicos
Conceito: são substâncias capazes de provocar insensibilidade geral ou local, para que o paciente não sinta dor. A grande maioria é de uso específico durante procedimentos médicos ou odontológicos.

Antidiabéticos
Conceito: são medicamentos utilizados para controlar os níveis de glicose no sangue.

Ex. Glibenclamida – estimula a  liberação endógena de insulina
      Glucobay – retarda a absorção da glicose pelo o organismo.

Comentário: Tais medicamentos podem provocar várias reações adversas como coceira, diarreia, alergias, distúrbios visuais e etc.
Alguns tipos de diabetes:
- Diabete Tipo 1 – insulino-dependente – normalmente congênita ou logo nos primeiros anos de vida.
- Diabete Tipo 2 – não insulino-dependente – ocorre na idade adulta. Pode ter como origem a hereditariedade, fatores emocionais, problemas de obesidade e crescimento.

Anticolesterol
Conceito: são medicamentos utilizados para reduzir os níveis de gordura no sangue, ou seja, colesterol e triglicérides. A origem da doença pode ser hereditária e por alimentação rica em gorduras.

Anti-Hipertensivos
Conceito: medicamentos utilizados para controlar a pressão arterial.
Ex. Divelol e Carduran – inibidores adrenérgicos
      Vascase e Capoten – inibidores da ECA

Comentários: deve-se tentar o controle da pressão arterial primeiramente por modificação do estilo de vida, redução de peso, restrição ao consumo de sal, abstenção do fumo, aumento de atividades físicas. Se tudo isso não adiantar, recorre-se ao uso de diuréticos isoladamente ou em associação com outros anti-hipertensivos.

Diuréticos
Conceito – são substâncias que estimulam a excreção de alguns íons e diminuem a reabsorção de água nos túbulos renais, aumentando assim a eliminação de água do organismo.

Comentários: São medicamentos utilizados no alívio de edemas e como coadjuvante no controle da hipertensão bem como insuficiência cardíaca congestiva crônica, insuficiência renal crônica e hipercalcemia.

Alguns diuréticos:
- Depletores de potássio – clortalidona e hidroclorotiazida – podem causar hipopotassemia e, por isso, muitas vezes são tomados juntamente com sais de potássio.
- Poupadores de potássio – espirolactona – diminuem a excreção de potássio e a reabsorção de sódio.
- Diuréticos de alça – furosemida -  também chamados de diuréticos de alta potência.

Cardiotônicos
Conceito – são medicamentos que aumentam a força de concentração do coração e controlam a velocidade dos batimentos cardíacos. Exemplo: Digoxina e Ancoron.

Comentários: Insuficiência Cardíaca – o coração bate devagar
   Arritmia – o coração bate descompassado

Vasculares
Anti-hemorrágicos: evitam as hemorragias – o perigo de hemorragias aparece quando o organismo não produz os anti-hemorrágicos  naturais (principalmente a Vit. K1) de maneira suficiente. Ex. Kanakion e Ergotrate.

Circulatórios: servem para controlar a circulação do sangue, tentando evitar a formação de hemorróidas e varizes. Ex. Venocur triplex e Venalot.

Vasodilatadores: aumentam o diâmetro dos vasos. São usados principalmente para anginas e dor forte no peito, e tratam a insuficiência cardíaca congestiva.  Ex. Adalat e Sustrate.

Antineoplásicos
Conceito – são quimioterápicos usados no tratamento do câncer. O objetivo do seu emprego é a destruição seletiva das células tumorais. Ex. Alkeran e Zoladex

Comentários: Neoplasia é uma massa de células anormais que se desenvolvem de maneira desordenada. Hoje em dia é muito comum a utilização de associações de quimioterápicos, evitando assim o desenvolvimento de células resistentes num curto espaço de tempo e procurando também resultados mais eficientes.

Anticoagulantes
Conceito – são agentes que prolongam o tempo de coagulação do sangue. São usados em diversos distúrbios cardiovasculares, tais como infarto do miocárdio, embolia pulmonar, doença vascular  cerebral periférica e trombose. Ex. Marevan, Heparina Sódica e Clexane.

Comentários: O coágulo é uma rede de finíssimas fibras que são formadas pelo próprio organismo. A formação do coagulo envolve uma série de reações e de substâncias.

Anti-Herpéticos
Conceito - medicamentos de ação paliativa usados para diminuir os sinais e sintomas do herpes. O herpes é uma doença sem cura causada pelo o vírus herpex, muito comum no ser humano, mas que só se manifesta com baixa resistência imunológica. Caracteriza-se por lesões da pele e mucosas.

Comentários: Nunca utilizar pomadas à base de cortisona em herpes, pois pode ocorrer piora do quadro clínico.

Orexígenos
Conceito – são medicamentos utilizados para estimular o apetite. EX. Carnabol, Profol etc.

Hormônios
Conceito – são substâncias secretadas por glândulas e liberadas na corrente sanguínea para que possam atingir os tecidos onde irão exercer seus efeitos.

Alguns hormônios:
- Hormônio do Crescimento – chamado somatropina, é produzido pela hipófise e sua deficiência durante a fase de crescimento pode gerar nanismo.
- Hormônios Tiroidianos – T3 e T4,  o exame do pezinho feito em lactentes tem como um dos objetivos a detecção precoce do hipotiroidismo, que deve ser tratado, evitando assim o cretinismo. Já o hipertiroidismo  é tratado com fármacos antitiroidianos, que impedem a síntese do hormônio tiroidiano. Ex. Propiltiouracil.

Comentários: Quando o organismo não produz ou produz insuficientemente os hormônios é necessária a reposição hormonal, que é feita por substâncias sintéticas, ou seja, produzidas em laboratórios.

Anticoncepcionais
Conceito –  são hormônios  utilizados  para evitar a fecundação (gravidez), no tratamento de algumas patologias ovarianas (cistos) bem como regular o ciclo menstrual. Ex. Gracial e Minulet.

Ovulatórios
Conceito – é um hormônio que atua no SNC no sentido de induzir a ovulação. Este medicamento pode induzir a liberação de 1 ou mais óvulos, aumentando as chances da mulher engravidar. Ex: Clomid e Serofene.

Antidepressivos
Conceito – são medicamentos que melhoram o humor.
Ex: Anafranil, cloridrato de clomipramida e Pondera.

Comentários: A depressão pode ser causada por distúrbios hormonais ou emocionais.

Ansiolíticos
Conceito – são medicamentos usados para diminuir a ansiedade.
EX: Alprazolan e Bromazepan.

Comentários: A ansiedade não tem origem definida, variando de pessoa para pessoa. Pode apresentar-se como um distúrbio do pânico (medo), de ansiedade ou pós-traumático. 

Antiparkinsoniano
Conceito – são medicamentos utilizados para tratar os sintomas do mal de Parkinson.

Comentários: A doença de Parkinson deve-se à deficiência de uma substância existente no cérebro chamada DOPAMINA, que é responsável pela coordenação dos movimentos juntamente com a ACETILCOLINA (é preciso que ocorra o equilíbrio entre elas). A LEVODOPA, no sistema central, é convertida em DOPAMINA. O CLOR. DE BIPERIDENO promove a diminuição de ACETILCOLINA, restabelecendo assim o equilíbrio entre a mesma e a DOPAMINA.

Hipnóticos e Sedativos
Conceito – são usados para o tratamento de diversos tipos de insônia, tensão emocional, pois reduz a inquietação e induz o sono e a sedação. Agem deprimindo o SNC de maneira não seletiva ou geral. Em doses elevadas, são usados como hipnóticos e em doses menores como sedativos. Ex. Dormonid e Sonebon.

Neurolépticos
Conceito – são usados para o tratamento de pacientes com desorganização mental de pensamento e comportamento, como por exemplo: obsessão, mania de perseguição e no alívio de tensão emocional grave. Não curam, mas diminuem os sintomas da doença. Portanto, não são curativos, sua ação é primariamente e paliativa. Ex. Carbonato de lítio, baloperidona e risperidona.

Comentários: Neurose – distúrbio da pessoa com ela mesma. 
                     Ex. mania de limpeza
                     Psicose – distúrbio da pessoa com a realidade.
                     Ex. ouvir vozes

Analgésicos Narcóticos 
Conceito – são medicamentos utilizados para deprimir o SNC, ou seja, diminuem o ritmo cerebral que está acelerado. Ex: Fenobarbital e Fenitoína.

Comentários: A epilepsia caracteriza-se por crises de convulsão que são decorrentes de uma disritmia cerebral, levando a um equilíbrio das cargas elétricas, podendo ocorrer em intensidade e frequências variadas.

Anorexígenos
Conceito – são medicamentos usados para reduzir o apetite e também agir corrigindo o fator emocional que leva à ingestão excessiva de alimentos.
Ex. Femproporex e Anfepramona.

Comentários: A obesidade é o excesso de gordura que fica armazenada no organismo proveniente de uma alimentação excessiva ou de distúrbios hormonais.

Interação Medicamentosa

Interação é uma reação química resultante da mistura entre dois ou mais medicamentos, formando uma terceira substância, com características indesejáveis ao organismo por causarem modificações na absorção, distribuição, biotransformação, excreção e até mesmo na ação de alguns fármacos, comprometendo a eficácia dos mesmos.
A Interação também se dá com a mistura de medicamentos e alimentos.

Classificação das Interações Medicamentosas

Didaticamente, costuma-se classificar as interações medicamentosas em dois grandes grupos:

a) INTERAÇÕES FARMACOCINÉTICAS – são as que ocorrem na absorção, distribuição, biotransformação ou excreção dos fármacos.

- Interações na Absorção dos Fármacos – quando fármacos interagem no organismo, um ou mais deles podem ficar insolúveis no estômago, impossibilitando a absorção. Também podem ocorrer alterações na motilidade intestinal ou um fármaco alterar o Ph gástrico ou entérico, comprometendo a absorção do outro fármaco.

- Interações na Distribuição dos Fármacos – alguns fármacos são distribuídos no organismo pela ligação a proteínas plasmáticas. Muitas vezes um fármaco pode comprometer a ligação de outro a essas proteínas, prejudicando a sua distribuição.

- Interações na Biotransformação dos Fármacos – a biotransformação  dos fármacos no interior do organismo ocorre principalmente no fígado, através de reações bioquímicas catalisadas por enzimas. Determinados fármacos têm a capacidade de estimular a ação dessas enzimas (indutores enzimáticos) e outros de inibi-las (inibidores enzimáticos). Portanto, sua administração em conjunto com outros agentes pode provocar a indução ou inibição enzimática, levando à perda ou redução de ação do segundo fármaco ou, em alguns casos, acelerando sua excreção.

- Interações na excreção dos Fármacos – os fármacos são eliminados do organismo principalmente por via retal, através de mecanismos específicos. Quando ocorrem interações medicamentosas, alterações nesses mecanismos podem levar ao retardo ou aceleração da excreção dos fármacos, ocasionando modificações nas suas concentrações e possibilitando o prolongamento ou redução de sua ação.

b) INTERAÇÕES FARMACODINÂMICAS – são as que interferem na ação dos fármacos envolvidos, o que pode resultar na potencialização dos efeitos (Sinergismo) ou na exacerbação de um ou mais efeitos colaterais. Algumas interações podem gerar efeitos antagônicos (resultados opostos). Assim, quando dois fármacos atuam em um mesmo receptor no organismo e são administrados simultaneamente, pode ocorrer competição pelo receptor, comprometendo a ação terapêutica.

Comentários:

Substâncias que devem ser tomadas com estômago vazio e muita água:
- Cefalexina 
- Tetraciclina
- Penicilina
- Eritromicina
- Pantomicina
- Compostos de Diazepam com Ergotamina e propantelina

Substâncias que não devem ser tomadas com leite:
- Sais de Ferro 
- Bisacodil
- Antibióticos

Os antibióticos nunca devem ser misturados com Vitamina C ou qualquer substância que a contenha (sucos cítricos), pois a mesma inibe a ação dos antibióticos. O cálcio contido no leite reduz a absorção dos antibióticos.

Medicamentos que devem ser tomados junto com alimentos:
- Ácido Acetilsalicílico
- Fenitoína
- Metoclopramida
- Carisoprodol
- Amiodarona
- Reserpina
- Teofilina
- Cinarizina
- Prednisona
- Analgésicos
- Anti-inflamatórios

Nunca misturar com outros medicamentos:
- Prometazina
- Diazepan
- Digoxina
- Dexametasona
- Cloreto de Potássio

Tais medicamentos quando associados formam precipitados e compostos indesejáveis ao organismo.

Nunca usar fazendo uso de bebidas alcoólicas:
- Analgésicos fortes
- Tranquilizadores
- Anticonvulsivantes
- Neurolépticos
- Hipnóticos
- Anti–histamínicos
- Barbitúricos
- Antibióticos

Nunca misturar os seguintes medicamentos injetáveis:

AMPICILINA COM:
- Lincomicina
- Gentamicina
- Cloranfenicol
- Tetraciclina
- Liquemine
- Amicacina
- Hidrocortisona
- Oxitetraciclina

CEFALOTINA COM:
- Anti-histamínico
- Gentamicina
- Eritromicina
- Cálcio
- Amicacina
- Aminofilina
- Fenobarbital
- Liquemine
- Oxitetraciclina
- Penicilina G Potássica
- Pentobarbital

GENTAMICINA COM:
- Anfoterecina B
- Liquemine
- Cefalotina
- Ampicilina
- Penicilina G Potássica
- Oxacilina
- Carbenicilina

CLORANFENICOL/TETRACICLINA COM:
- Anfoterecina B
- Aminofilina
- Ampicilina
- Carbenicilina
- Cálcio
- Riboflavina
- Oxacilina
- Cefalotina
- Prometazina
- Hidrocortisona

OXACILINA COM :
- Complexo B
- Tetraciclina
- Gentamicina
- Tianfenicol

Observações importantes: Evite misturar um medicamento com outro na mesma seringa. Observe somente as associações recomendadas pelo médico.

Nesta parte são focalizadas algumas interações medicamentosas. Dado o seu grande número foram selecionadas aquelas mais importantes do ponto-de-vista clínico, relacionadas às drogas habitualmente usadas.

DROGA - ASSOCIADA COM - EFEITO:
Anti-inflamatórios não esteroides (em geral): 
Ácido Fólico: Diminuição do efeito terapêutico dos anti-inflamatórios;
Anticoagulantes orais: Aumento no risco de hemorragias;
Anti-hipertensivos (bloqueadores beta e diuréticos): Redução do efeito anti-hipertensivo;
Diuréticos: Insuficiência renal aguda em pacientes desidratados;
Glicocorticoides (corticosteroides): Maior possibilidade de surgimento de efeitos colaterais indesejáveis;
Heparina (via parenteral): Aumento no risco de hemorragias;
Sais de Lítio: A indometacina, cetoprofeno, ácido mefenâmico, clometacina, fenilbutazona, diclofenaco, piroxican  e ibuprofeno aumentam as concentrações séricas de lítio em 30 a 60%.

Anticonvulsivantes indutores enzimáticos (carbamazepina, fenobarbital, fenitoína e primidona) em geral:
Anticoncepcionais orais (Associações estrógeno/ progestágenos): Diminuição da eficácia do anticoncepcional;
Corticoides: Diminuição da eficácia dos corticosteroides;
Teofilina e derivados: Diminuição das taxas plasmáticas e da atividade da teofilina.

Antidepressivos tricíclicos (em geral):
Anticonvulsivantes Os antidepressivos tricíclicos favorecem o aparecimento de convulsões;

Benzodiazepínicos (em geral): 
Cimetidina: A administração de cimetidina e alguns benzodiazepínicos (alprazolam, clordiazepóxido, clorazepato, diazepam e triazolam) resulta em diminuição do clearence plasmático e aumento da meia vida plasmática e concentração destes benzodiazepínicos. Além disso, foi observado um aumento do efeito sedativo em alguns pacientes  tomando cimetidina e benzodiazepínicos;
Digoxina: O diazepam pode reduzir a excreção renal da digoxina, com aumento da meia vida plasmática e risco de toxicidade. Este efeito foi também relatado com o alprazolam.

Glicocorticoides (Corticosteroides/ Corticoides) em geral:
Anticoagulantes Orais: Aumento no risco de hemorragia consequente à terapia corticosteroide (mucosa digestiva, fragilidade vascular);
Anticoncepcionais Orais: Reforço da ação anti-inflamatória da hidrocortisona. Diminuição do metabolismo da prednisolona. Provavelmente, vale para todos os corticosteroides.
Glicocorticoides (Corticosteroides/ corticoides) em geral:
Digitálicos: Predisposição para toxicidade digitálica;
Diuréticos depletores de potássio (ácido etacrínico, furosemida, tiazídicos) e outras drogas depletoras de potássio (anfoterecina B): Podem aumentar a depleção de potássio, que é um dos efeitos dos corticosteroides.

Antidiabéticos orais (em geral):
Derivados pirazolônicos: A administração de fenilbutazona e outros derivados pirazolônicos concomitantemente aos antidiabéticos orais pode potencializar a atividade hipoglicêmica;
Isoniazida: Redução da eficácia dos antidiabéticos orais. Pode, entretanto, aparecer o inverso, ou seja, uma potencialização da hipoglicemia.
 
Anticoncepcionais orais  (em geral):
Anti-hipertensivos: Os anticoncepcionais podem elevar a pressão arterial, anulando a ação dos hipotensores;
Anti-infecciosos (Ampicilina, Cloranfenicol, Neomicina, Nitrofurantopina, Penicilina V, Sulfonamidas, Tetraciclinas): Diminuição do efeito anticoncepcional  causado por todos os anti-infecciosos que atuam sobre a microbiota intestinal;
Betabloqueadores: Acúmulo do betabloqueador. Risco de intoxicação.
Corticosteroides: Reforço da ação anti-inflamatória da hidrocortisona. Diminuição do metabolismo da prednisolona. Provavelmente, válido para todos os corticosteroides.

Anticoncepcionais orais  (em geral):
Indutores de enzimas microssômicas (Rifampicina, barbitúricos, carbamazepina, fenitoína, primidona, griseofulvina): Diminuição do efeito anticoncepcional. Em relação à fenitoína: possibilidade de aparecimento de convulsões. (entretanto, é duvidosa esta interação).

Anticoagulantes orais (em geral): 
Anticoncepcionais orais: Diminuição dos efeitos dos anticoagulantes;
Cimetidina: Aumento dos efeitos dos anticoagulantes;
Cloranfenicol: Aumento dos efeitos dos anticoagulantes e no risco hemorrágico;
Clortalidona (e outros diuréticos tiazídicos): Diminuição dos efeitos dos anticoagulantes.
 
Diuréticos depletores de potássio ou hipocalemiantes (Tiazídicos e similares, como a clortalidona, incluindo ácido tienílico e indapamida, e diuréticos de alça como ácido etacrínico, bumetanida e furosemida) em geral:
Alguns antiarrítmicos (Bepridil, antiarrítmicos do tipo quinidínico, sotalol, amiodarona): Aumento dos efeitos dos antiarrítmicos, com possibilidade de intoxicação;
Bloqueadores neuromusculares não desporizantes: Prolongamento do bloqueio neuromuscular.
Digitálicos: Aumento dos efeitos tóxicos dos digitálicos.

Imunização

É a característica que o organismo adquire ao se tornar resistente contra determinada doença. Essa resistência decorre da produção de anticorpos específicos para cada tipo de antígeno.

Mas, afinal o que são anticorpos e antígenos?

Resumidamente, podemos dizer que antígeno é toda a substância estranha ao organismo que, por qualquer motivo, penetra ou tenta nele penetrar. Já os anticorpos são substâncias próprias do organismo, isto é, produzidas por ele, que destroem ou tentam destruir os antígenos que invadiram o corpo.

Tipos de Imunização:

Existem dois tipos de imunidade: a ativa e a passiva. A imunidade ativa desenvolve-se quando o próprio organismo produz os anticorpos (vacina). A passiva não é uma imunidade definitiva e desenvolve-se quando o indivíduo recebe anticorpos já formados em outro organismo (soro).

Noções Básicas Sobre Injetáveis

Vias de aplicação de injetáveis

Intradérmica (I.D): Também chamada intracutânea ou cutânea, é utilizada para testes alérgicos e algumas vacinas. É aplicada na camada mais profunda da pele, chamada derme. Sua característica é a formação de uma bolinha (pápula na pele).

Local de aplicação: geralmente é feita na parte interna do antebraço, por ser de fácil acesso, pouco pigmentado e com poucos pelos.

Posição: geralmente sentado com o antebraço apoiado em suporte específico.

Quantidade: geralmente não ultrapassa 0,1 ml. Quantidades superiores devem ser divididas em duas partes, ou mais aplicações.

Técnica de Aplicação

1- Estique a pele e introduza a agulha em ângulo de 5 a 15° com o bisel voltado para cima. Puxe o êmbolo levemente para trás.
2- Não refluindo sangue, injete o líquido delicadamente e observe a pele se distender, tomando o aspecto de uma bolha chamada pápula. Já que a injeção é feita de modo muito superficial (entre a derme e a epiderme).
3- Terminada a aplicação, retire cuidadosamente a agulha. Não massageie o local. Esta injeção dispensa a antissepsia. A presença do álcool pode comprometer os resultados dos testes e o efeito das vacinas fabricadas com microrganismos vivos inativos. Se necessário, lave a área com água e sabão ou soro fisiológico, secando em seguida com algodão seco.
4- Descarte adequadamente as seringas e o material usado.

Subcutânea: Feita no tecido subcutâneo, que fica entre a pele e o músculo, é usada para a aplicação de vacinas, insulinas, anticoagulantes e outros medicamentos que devam ser absorvidos lentamente. É um tipo de aplicação  geralmente indolor, feito com seringas específicas e agulhas curtas, chamadas agulhas de insulina. Volume máximo recomendado é de 1,5 ml.

Locais de Aplicação: parte posterior dos braços, parte anterior e lateral externa das coxas, abdômen e nádegas.

Material necessário: algodão com álcool, seringa agulhada de vacina ou insulina.

Execução da Técnica: Após limpar o local da aplicação, faça uma prega na pele com o dedo indicador e polegar e, em seguida, introduza profunda e rapidamente a agulha, em ângulo reto (90°) para que a absorção se faça de forma eficaz através dos capilares existentes na camada profunda do tecido. Aspire, faça a aplicação  e retire a agulha com auxílio do algodão. Não massageie o local. Em pessoas magras, faça a aplicação com a seringa inclinada para evitar a aplicação no músculo e proceda conforme as orientações anteriores. Para as vacinas são utilizadas seringas específicas com escalas em décimo de ml.

Material necessário para a aplicação da insulina:
- Algodão com álcool
- Frasco de insulina U-100 tipo R, N ou L (trazida pelo cliente)
- Seringa de insulina de 30,50 ou 100 unidades

Endovenosa (E.V.) ou Intravenosa (I.V.): é aplicada na veia e o efeito é imediato. Deve ser aplicada lentamente para se evitar mal estar, hipotensão, formigamento e ondas de calor, fenômenos de origem nervosa que acometem pessoas ansiosas. Com este cuidado, evita-se também a elevação do volume circulatório, prejudicial aos cardíacos. A injeção é geralmente indolor e deve ser aplicada somente por pessoa realmente habilitada, podendo causar sérios problemas se for mal aplicada.

Locais de Aplicação:
- Veias do Braço
- Veias do dorso da mão
- Veia do Pé

Material Necessário:
- Algodão Seco e embebido em álcool
- Seringa de bico lateral e agulha 20x5,5 ou 25x7
- Garrote

Intramuscular (I.M.): é feita no músculo, parte do corpo responsável pelos movimentos, rica em vaso sanguíneos que facilitam a absorção de grande número  de medicamentos. Possui também grande número de nervos que comandam a atividade muscular, sendo, por isso, muito importante que se identifique com exatidão as áreas apropriadas para a aplicação, afim de evitar possíveis complicações. Este é o tipo de injeção mais utilizado em farmácias. As injeções intramusculares devem ser sempre profundas, isto é, aplicadas com agulhas de tamanho apropriado e com ângulo reto (90°), salvo exceções, para favorecer a absorção e não haver retorno do medicamento para a camada subcutânea. Os medicamentos mais doloridos e irritantes são aplicados por esta via.  

Material Necessário:
Algodão com álcool a 70°
Seringas com 3,5 ou 10 ml
Agulhas do tamanho apropriado:
- Adultos magros – 25x7
- Adultos com ossos bem desenvolvidos ou obesos– 30x7 ou 30x8 
- Crianças bem desenvolvidas – 25x7 ou 25x8
- Crianças e adolescentes obesos – 30x7
- Crianças muito pequenas – 20x5,55  (exceto para aplicação de suspensões de penicilina)

As agulhas com calibre 25x7 ou 30x7 são usadas para soluções aquosas. As de calibre 25x8 ou 30x8 são reservadas para soluções oleosas e para suspensões de penicilina, para facilitar a aplicação e não entupir a agulha.

Músculos Utilizados:
- Braço ou região deltoideana (volume de líquido máximo de 3ml)
- Nádega ou região dorsoglútea (volume de líquido no máximo de 5ml, se ultrapassar devem ser aplicados em dois locais diferentes)
- Quadril ou região ventroglútea (volume de líquido no máximo de 5ml)
- Coxa (volume de líquido no máximo de 4ml)

Técnica em Z ou trilha em Z - técnica ideal para evitar o refluxo do medicamento para a camada subcutânea, evitando o aparecimento de nódulos doloridos por reação inflamatória, principalmente no caso de aplicações feitas com soluções oleosas (como Perlutan) e à base de ferro como Noripurum, este podendo deixar manchas escuras na pele.
Pode ser usada em qualquer um dos locais descritos previamente sendo, entretanto, mais utilizada na região glútea.

1- Após fazer a antissepsia da pele, puxe-a firmemente para o lado ou para baixo com a parte lateral da mão esquerda (se for canhoto faça com a mão oposta)
2- Introduza a agulha. Sempre mantendo a pele puxada, segure a seringa com o polegar e o dedo indicador da mão esquerda. 
3- Puxe o êmbolo discretamente para trás e observe se há refluxo de sangue. Caso isso não ocorra, faça a aplicação.
4- Aguarde aproximadamente 10 segundos antes de retirar a agulha e só então solte a pele.

Outra alternativa é usar a lateral da mão ao puxar a pele para o  lado ou para baixo. Nesse caso, os dedos indicador e polegar ficarão livres para segurar a seringa. Voltando a posição relaxada, a pele vedará a saída do líquido injetado para fora do músculo.

Formas de Apresentação da Medicação Injetável

- Aquosa (ex. Voltaren)
- Oleosa (ex. Perlutan)
- Líquida com pó em suspensão (ex. Benzetacil)
- Pó (ex. Despacilina e Tilatil)

Sala de Aplicação

Deve possuir área física bem iluminada, bem ventilada e deve conter:

- Pia
- Sabão líquido ou em barra
- Papel Toalha
- Álcool 70° ou álcool swabs
- Algodão
- Bancada para preparar as injeções
- Lixeira
- Cadeira
- Garrote
- Seringas e agulhas descartáveis

Cuidados Gerais na Administração de Injetáveis

Para maior segurança, tanto para o aplicador quanto para o cliente, peça a receita médica na hora de aplicar injeções. Observe os seguintes itens: nome e n° do CRM do médico, nome do cliente, data, nome do medicamento, dosagem, via de aplicação e concentração.

Termos Técnicos em Aplicações de Injeções

Antissepsia – é a redução de germes e eliminação de partículas de sujeira da pele através do uso de antissépticos como álcool, água oxigenada e outros.

Contaminação – significa levar para um material, medicamento, ambiente ou organismo vivo partículas de sujeira, pó, micróbios etc.

Desinfecção – é o processo pelo qual reduzem-se os micróbios do ambiente e dos materiais através do uso da fervura ou soluções desinfetantes, como álcool e outras.

Esterilização – é um processo radical onde todos os germes presentes no material são eliminados, assim como qualquer partícula de sujeira. Tanto a medicação injetável quanto as seringas e agulhas são esterilizadas.

Germes ou Micróbios – estão presentes na pele, no ar, nos objetos e gotículas de saliva. Sem os devidos cuidados de higiene, eles podem ser introduzidos no organismo através da injeção, causando infecção em pessoas predispostas. São os chamados abscessos por contaminação, com presença de pus.

Infecção – é a penetração e proliferação de germes no organismo. As pessoas mais sensíveis são as crianças, idosos, portadores de câncer, pessoas com Aids e pessoas muito estressadas.

A falta dos devidos cuidados higiênicos no preparo ou na aplicação da injeção pode causar infecção.

Descarte do Material Utilizado

- Após a aplicação, descarte a seringa e a agulha em coletores feitos especialmente para este fim, de paredes rígidas.
- Nunca jogue agulhas descobertas em sacos plásticos.
- A agulha também não deve ser desconectada da seringa para evitar riscos de acidente com o aplicador.
- Os protetores das agulhas não devem ser nelas recolocados.
- Descarte materiais somente até o limite recomendado no DESCARTEX.
- Para o descarte final do coletor, transporte o DESCARTEX fechado, segurando somente pela a alça e afastado do corpo.

Noções Básicas Sobre Portaria 344

Notificação de Receita A

- De cor amarela.
- Confeccionada e fornecida pela autoridade sanitária.
- Prescrição dos medicamentos à base das substâncias das listas:
A1, A2 e A3.
- Válida em todo o território nacional desde que acompanhado de justificativa.
- Deve ser preenchida de forma legível, sendo a quantidade dos medicamentos prescritos em algarismos arábicos  e por extenso.
- A farmácia ou drogaria só pode aviar ou dispensar quando todos os itens da receita e da notificação de receita estiverem devidamente preenchidas e assinadas pelo profissional prescritor.
- A notificação será retida na farmácia/drogaria e a receita devolvida ao paciente com carimbo.
- Vale por 30 dias após a sua emissão.
- Podem conter, no máximo, 5 (cinco) ampolas e para as demais formas farmacêuticas de  apresentação, a quantidade correspondente a 30 (trinta) dias de tratamento.
- Pode ser prescrito acima das quantidades previstas, devendo o prescritor anexar justificativa indicando com CID da doença ou diagnóstico, posologia, data e assinatura.
- No caso de formulações magistrais, as formas farmacêuticas deverão conter, no máximo, as concentrações que constam na literatura nacional internacional oficialmente reconhecidas.

O profissional prescritor, para receber o talonário, deve se dirigir à autoridade sanitária para o preenchimento da ficha cadastral, munido de carteira de identidade expedido pelo conselho profissional e comprovante de residência. O cadastramento pode ser feito por pessoa devidamente autorizada. Após o cadastramento, o profissional pode requerer o talonário.

No ato do recebimento do talonário, o profissional, ou portador, deve levar o carimbo que será aposto na presença da autoridade sanitária, em todas as folhas do talonário no campo “Identificador do Emitente”.

Notificação de Receita B

Para Uso Humano e Uso Veterinário
-  De cor azul.
-  Impressa às expensas do profissional ou instituição.
- Prescrição dos medicamentos à base das substâncias das Listas B1 e B2.
- Válida apenas na unidade federativa que concedeu a numeração.
- Nos campos UF, NÚMERO, IDENTIFICAÇÃO DO EMITENTE, DADOS DA GRÁFICA, NÚMERO DA AUTORIZAÇÃO e a NUMERAÇÃO CONCEDIDA devem estar impressas.
- Pode haver prescrição acima das quantidades previstas, devendo-se para tanto o prescritor anexar justificativa indicando o CID da doença ou diagnóstico, posologia, data, assinatura e carimbo.
- Pode conter apenas uma substância ou medicamento que a contenha.
- Devem vir acompanhada da receita comum.
- A receita comum deve receber os carimbos.
- A notificação fica retida na farmácia e a receita devolvida ao paciente.
- Antes de confeccionar esta Notificação de Receita, deve o interessado solicitar à Autoridade Sanitária autorização e numeração (intervalo numérico) para confecção do talonário.
- O rodapé da notificação deve conter os dados da gráfica (razão social, CGC e endereço), o intervalo numérico concedido pela Vigilância Sanitária local e o número da autorização.
- Válida por 30 dias após sua emissão.
- Cada  notificação pode conter, no máximo, 05 ampolas ou o suficiente para 60 dias de tratamento nas demais formas farmacêuticas (comprimidos, solução e xaropes orais etc).
- É proibido fórmulas contendo associações medicamentosas das substâncias anorexígenas entre si ou com ansiolíticos, diuréticos, hormônios ou extratos hormonais e laxantes, bem como quaisquer outras substâncias medicamentosas.
- É proibido associações medicamentosas de substâncias ansiolíticas associadas a substâncias simpaticolíticas ou parasimpaticolíticas.

Receita Controle Especial 

- Válida em todo o território nacional por trinta dias após a sua emissão.
- Deve ser preenchida em duas vias.
- Destina-se aos medicamentos à base das substâncias das Listas C1 e C5.
- Deve ser preenchida de forma legível, sem rasuras ou emendas, a quantidade em algarismos arábicos e por extenso.
- Só pode ser dispensada ou aviada quando todos os itens estiverem devidamente preenchidos.
- Em 72 horas, as farmácias ou drogarias devem apresentar as receitas de controle especial provenientes de outras Unidades Federativas à Autoridade Sanitária.
- A 2ª via deve ser devolvida ao paciente contendo carimbo do estabelecimento atestando o aviamento/dispensação.
- Os medicamentos das listas C4 (antirretrovirais) devem ser dispensados no âmbito do SUS por formulário próprio fornecido pelo Programa DST/AIDS ou na Receita de Controle Especial quando para aquisição em farmácia ou drogaria.
- Os antirretrovirais só podem ser prescritos por profissionais médicos.
- Cirurgiões dentistas e veterinários só podem prescrever para uso odontológico e veterinário, respectivamente.
- Cada receita poderá conter até 03 (três) substâncias ou medicamento das Listas C1 e C5.
- De cada uma das substâncias ou medicamentos poderão ser prescrito até 05 (cinco) ampolas ou o suficiente para 60 (sessenta) dias de tratamento, quando em outra forma farmacêutica.
- Para os antirretrovirais podem conter, cada receita, até 05 (cinco) medicamentos.
- antiparkinsonianos e anticonvulsivantes podem ser prescritos para até 06 meses de tratamento.
- Acima das quantidades previstas, o prescritor deve anexar justificativa com CID ou diagnóstico, posologia, datando e assinando as duas vias.

Procedimento do Balconista
É de responsabilidade do balconista:

- Abordagem do cliente no meio da loja.
- Prestar um bom atendimento a todos os clientes.
- As expressões: senhor (a), bom dia, como vai, até logo, muito obrigado, posso lhe ajudar, estamos às suas ordens, devem fazer parte constante do vocabulário.
- Para evitar vendas erradas, toda a receita deverá ser lida por dois balconistas, mesmo que a  receita esteja legível. Em caso de dúvida, consultar o FARMACÊUTICO. Persistindo a dúvida, ligar para o médico.
- Anotar as faltas e encomendas de produtos.
- Não é permitida a aplicação de injeções sem a apresentação da receita. Antes da aplicação, o balconista deverá apresentar o medicamento e a receita para o FARMACÊUTICO confirmar.
- Retirada dos produtos a vencer, com 90 dias de antecedência (a critério da loja).
- Auxiliar na limpeza e organização da filial, principalmente prateleiras, gôndolas e sala de aplicação.

CONCEITOS IMPORTANTES PARA FARMACÊUTICOS

Profa. Bagnólia Araújo Costa
Março/2007

FARMACOLOGIA: ciência que estuda a história, a fonte, as propriedades físicas e químicas, os efeitos bioquímicos e fisiológicos, o mecanismo de ação, a absorção, distribuição, biotransformação, excreção e os usos terapêuticos dos FÁRMACOS e MEDICAMENTOS.

FARMACOCINÉTICA: parte da farmacologia que estuda cronologicamente os fenômenos de absorção, biodisponibilidade, distribuição, biotransformação e eliminação dos fármacos. Estuda o que o organismo faz com o fármaco.

FARMACODINÂMICA: parte da Farmacologia que estuda os efeitos bioquímicos e fisiológicos dos fármacos e seus mecanismos de ação. Estuda o que o fármaco faz no organismo.

FÁRMACO: toda substância de estrutura química definida, que quando administrada ao organismo produzirá um efeito biológico. Exs. ácido acetilsalicílico (A.A.S), penicilina, paracetamol, diclofenaco, iodo, atropina, sildenafil, dexametasona, dentre outros.

DROGA: qualquer produto (simples ou complexo), de natureza animal, vegetal, mineral ou sintética, dotado ou não de efeito terapêutico, que serve de MATÉRIA PRIMA para produção de MEDICAMENTOS. Exs:
Simples: álcool, glicerina, sulfato de cobre, amido, lactose, água....
Complexo: mel, própolis, óleo de fígado de bacalhau, folhas de hortelã, beladona....

MEDICAMENTO: produto farmacêutico, tecnicamente elaborado, contendo um ou mais fármacos associado(s) a outras substâncias, com finalidade profilática, curativa, paliativa ou para fins de diagnóstico. Tem eficácia, segurança e qualidade comprovadas. É uma FORMA FARMACÊUTICA. 

FORMA FARMACÊUTICA: estado físico como os medicamentos se apresentam:
Líquidas: soluções, xaropes, elixires, suspensões (orais, tópicas e injetáveis), emulsões (orais, tópicas e injetáveis), gotas (soluções ou suspensões), injetáveis, colírios, errinos, etc.
Sólidas: comprimidos, drágeas, cápsulas, pós, pastilhas, granulados, supositórios, óvulos, etc.
Semi sólidas: pomadas, cremes, pastas, unguentos, etc.
Gasosas: aerossóis e inalantes.

CLASSIFICAÇÃO DOS MEDICAMENTOS QUANTO À(AO):
Composição: simples e complexo
Uso: interno e externo
Prescrição: alopático e homeopático
Preparação: oficinal (farmacopeico) magistral, especialidade farmacêutica (referência e similar), genérico e placebo.
Ação: local e geral (ou sistêmica).

FÓRMULA FARMACÊUTICA: composição qualitativa e quantitativa do Medicamento ou Forma Farmacêutica.

REMÉDIO: todos os meios (artifícios) utilizados com o fim de prevenir ou de curar as doenças. Exs: medicamentos, exceto os para fins de diagnóstico; preparados caseiros de plantas medicinais (infusos ou chás, decoctos, lambedores, garrafadas, compressas, emplastros, etc.), helioterapia, radioterapia, aeroterapia, fisioterapia, ação psicológica desempenhada pelo médico ou psicólogo, junto ao paciente, dentre outros.

VENENO: toda substância medicamentosa ou não pode se tornar TÓXICA, dependendo das maneiras seguras de utilização (dose, via de administração, frequência de administração posológica, condições do paciente, etc.).
Todo produto que introduzido no organismo do indivíduo normal, em pequena quantidade, é susceptível de provocar alterações da saúde ou conduzir a MORTE.

MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA: produto inovador registrado no órgão federal responsável pela vigilância sanitária e comercializado no País, cuja eficácia, segurança e qualidade foram comprovadas cientificamente junto ao órgão federal competente, por ocasião do registro. 

MEDICAMENTO GENÉRICO: medicamento SEMELHANTE a um produto de referência ou inovador, que pretende ser com este intercambiável, geralmente produzido após a expiração ou renúncia da proteção patentária ou de outros direitos de exclusividade, comprovada a sua eficácia, segurança e qualidade, e designado pela DCB (Denominação Comum Brasileira) ou, na sua ausência, pela DCI (Denominação Comum Internacional). Todos têm embalagem e material de acondicionamento com tarja amarela e a inscrição G na cor azul marinho dentro da tarja.

MEDICAMENTO SIMILAR: aquele que contém o mesmo ou os mesmos princípios ativos, apresenta a mesma concentração, forma farmacêutica, via de administração, posologia e indicação terapêutica, preventiva ou diagnóstica, do medicamento de referência registrado no órgão federal responsável pela vigilância sanitária, podendo diferir somente em características relativas ao tamanho e forma do produto, prazo de validade, embalagem, rotulagem, excipientes e veículos, devendo sempre ser identificado por nome comercial ou marca. 

MEDICAMENTO HOMEOPÁTICO: são preparações manipuladas de forma específica (DILUÍDO E DINAMIZADO) de acordo com regras farmacotécnicas bem definidas, descritas na Farmacopéia Homeopática Brasileira.

MEDICAMENTO FITOTERÁPICO: medicamento farmacêutico obtido por processos tecnologicamente adequados, empregando-se exclusivamente matérias-primas ativas vegetais, com finalidade profilática, curativa, paliativa ou para fins de diagnóstico. É caracterizado pelo conhecimento da eficácia e dos riscos de seu uso, assim como pela reprodutibilidade e constância de sua qualidade.

Não se considera medicamento fitoterápico aquele que, na sua composição, inclua substâncias ativas isoladas, de qualquer origem, nem as associações destas com extratos vegetais.

MEDICAMENTOS DE CONTROLE ESPECIAL: medicamentos entorpecentes ou psicotrópicos e outros relacionados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Portaria 344/98) capazes de causar dependência física ou psíquica, além de alterarem o humor e o comportamento do usuário.

MEDICAMENTOS DE VENDA LIVRE (OTC): são aqueles cuja dispensação não requer autorização, ou seja, receita expedida por profissional habilitado. 

DISPENSAÇÃO: é o ato profissional farmacêutico de proporcionar um ou mais medicamentos a um paciente, geralmente como resposta a apresentação de uma receita elaborada por um profissional autorizado. Neste ato o farmacêutico informa e orienta o paciente sobre o uso adequado do medicamento. São elementos importantes da orientação, entre outros, a ênfase no cumprimento da posologia, a influência dos alimentos, a interação com outros medicamentos, o reconhecimento de reações adversas potenciais e as condições de conservação dos produtos.

FARMACOVIGILÂNCIA: identificação e avaliação dos efeitos, agudos ou crônicos, do risco do uso dos tratamentos farmacológicos no conjunto da população ou em grupos de pacientes expostos a tratamentos específicos.

POSOLOGIA: parte da Farmacologia que estuda o estabelecimento das doses, a sua frequência de administração e a duração do tratamento.

DOSE: quantidade de fármaco ou de medicamento que quando introduzido em um organismo é capaz de produzir um efeito benéfico ou maléfico.

EFEITO COLATERAL: efeito secundário de um medicamento, que pode ser prejudicial ou benéfico, porém é esperado e explicado pelo mecanismo de ação do mesmo. Ocorre com as doses terapêuticas usuais do medicamento

REAÇÃO ADVERSA AO MEDICAMENTO (RAM): é qualquer resposta a um medicamento que seja prejudicial, não intencional, e que ocorra nas doses normalmente utilizadas em seres humanos para profilaxia, diagnóstico e tratamento de doenças, ou para a modificação de uma função fisiológica. Não é explicada ou esperada pelo mecanismo de ação do fármaco.

Nenhum comentário:

Postar um comentário