domingo, 10 de abril de 2016

Medicamento e competições esportivas

Usar um medicamento para doping não é apenas falta de ética mas também é prejudicial à saúde. Essas substâncias são voltadas para o tratamento de doenças e não devem ser usadas por atletas saudáveis, recomenda a AMA (Agência Mundial Antidoping).

No caso da tenista Maria Sharapova, flagrada no uso de Meldonium, o doping trouxe também prejuízos financeiros a ela.

A justificativa de Sharapova foi a de que já vinha tomando Meldonium há dez anos. O laboratório que o produz recomenda seu emprego apenas por um período de quatro a seis semanas.

O Meldonium (Mildronate) é fabricado na Letônia, país que fez parte das repúblicas da União Soviética. Na Rússia o medicamento é indicado para isquemia do miocárdio mas nos EUA e em alguns países da Europa seu uso não foi aprovado.

Esse medicamento aumenta o fluxo sanguíneo, aumentando capacidade de esforço dos atletas. A AMA proibiu seu uso por atletas apenas a partir de janeiro deste ano.

No organismo, o Meldonium muda a fonte de produção metabólica dos ácidos graxos para o metabolismo da glicose. A oxidação aeróbica da glicose consome menos oxigênio que a oxidação do ácido graxo e aumenta a geração de ATP (trifosfato de adenosina), um importante reservatório de energia da célula.

Dessa forma, seu emprego por atletas melhora o rendimento nas competições.

Com informações da Folha de S.Paulo - Jornalista: JULIO ABRAMCZYK

Nenhum comentário:

Postar um comentário