sexta-feira, 29 de abril de 2016

Medicamentos biológicos auxiliam no tratamento da artrite

Diante de uma patologia, o que qualquer paciente busca é o alívio dos sintomas e a recuperação do bem-estar. Mas nem sempre os medicamentos convencionais surtem os efeitos ideais. É por isso que a medicina se reinventa constantemente. Um exemplo são os medicamentos biológicos, alternativa para o tratamento da artrite reumatoide. Produzidos a partir de organismos vivos, eles são compostos por moléculas complexas, desenvolvidas em condições metodicamente controladas. Durante o processo, as células são geneticamente modificadas para tratar algumas doenças específicas.

O problema é que se trata de algo lento e complexo, o que dificulta o acesso às medicações. Frente ao cenário, líderes da Aliança Global pelo Acesso de Pacientes (Gafpa) estão solicitando auxílio das entidades de reumatologia da América Latina. O objetivo é garantir o acesso seguro dos pacientes aos medicamentos biológicos apresentados durante o encontro anual da Liga Pan-americana das Associações para Reumatologia (Panlar).

O que são medicamentos biológicos e biossimilares

Produzidos em laboratórios de biotecnologia, os medicamentos biológicos são elaborados de forma muito diferente dos fármacos convencionais. Para a alteração genética, as células precisam permanecer sob condições específicas durante semanas ou meses. Trata-se de um processo lento. Consequentemente, o produto final também se torna mais caro. Alguns medicamentos biológicos são estruturados para tratar doenças inflamatórias intestinais e, inclusive, patologias nas áreas da oncologia e dermatologia. Sua função é repor proteínas e hormônios que faltam no organismo.

Mas eles se mostram especialmente eficazes no combate à artrite reumatoide. Por meio da terapia biológica, é possível romper a cadeia inflamatória da doença crônica nas articulações, que acomete cerca de dois milhões de brasileiros e pode levar à incapacidade funcional. Porém, como garantir o acesso universal dos pacientes a uma medicação com custo elevado? É aí que entra a função dos biossimilares. Ao contrário dos genéricos, que nada mais são do que versões idênticas e de menor custo de um medicamento comum, os biossimilares são substâncias complexas. Ou seja, não podem ser apontadas como uma simples replicação do biofármaco original. Afinal, não é possível fazer uma cópia exata de um deles, duplicando o organismo em questão.

Assim, a eficácia e a segurança de cada medicamento biossimilar precisa ser comprovada por estudos clínicos rigorosos. Atualmente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou apenas um medicamento desse tipo: o infliximabe, em 2015. Por enquanto, porém, ele ainda está indisponível.

Cuidados com medicamentos biossimilares 

O foco das autoridades é o acompanhamento rigoroso em todas as fases – da produção à comercialização dos medicamentos biossimilares -, pois eles podem causar reações imunológicas inesperadas. Principalmente porque são proteínas produzidas a partir de organismos que podem ser estranhos ao corpo humano.

No Brasil, porém, a regulamentação dos biossimilares caminha a passos lentos. Nos Estados Unidos, o Senado aprovou uma lei para regulamentar esse tipo de medicamento em 2011. Já na Europa, existe uma legislação específica para a aprovação e a fiscalização dessas medicações desde 2004.

Com informações de Terra

Nenhum comentário:

Postar um comentário