terça-feira, 5 de abril de 2016

O papel do farmacêutico no aconselhamento genético

O aconselhamento genético é uma área relativamente nova na saúde, que tem como objetivo o estabelecimento de diagnóstico, prognóstico e, se possível, prevenção e tratamento de doenças genéticas.

Entre os profissionais aptos para atuar nesse setor está o farmacêutico, que possui conhecimentos e habilidades que envolvem o cuidado com o paciente, responsabilidade técnica de laboratórios e emissão de laudos, essenciais para quem deseja atuar nessa nuance.

Também fazem parte das atribuições do farmacêutico em laboratório participar da coleta, preparo de amostras e suas dosagens por diversos métodos analíticos, além de processos de controle de qualidade, tanto pré-analítico, como analítico e pós-analítico.

Esse profissional também é capaz de informar quais os exames adequados a serem solicitados e como interpretá-los, assim como analisar as características que envolvem a doença ou síndrome em questão, avaliando os padrões de herança, genealogia, risco de recorrência, anamnese, entre outras atividades descritas na Resolução CFF nº 570/2013, que dispõe sobre atribuições do farmacêutico na área da Genética Humana.

Para dra. Marion Coting Braga, membro da Comissão Assessora de Análises Clínicas e Toxicológicas outra característica do profissional farmacêutico é ser capaz de estar presente em todas as etapas que envolvem medicamento “Essas são etapas importantes no tratamento e acompanhamento desses pacientes, como por exemplo em interações com outros medicamentos ou com alimentos, dosagens adequadas e efeitos adversos”.


Com informações de Monica Neri - Assessoria de Comunicação CRF-SP 

Nenhum comentário:

Postar um comentário