quinta-feira, 16 de junho de 2016

Um terço da população mundial faz dieta com excesso ou carência de calorias

Uma a cada três pessoas no mundo sofre com a má nutrição causada pela dieta com excesso ou carência calórica, revela o Relatório Nutrição Mundial 2016 (GNR), divulgado por um consórcio internacional de cientistas formado por entidades da sociedade civil, governos e doadores privados. As consequências da alimentação desequilibrada somam perdas anuais de 10% do Produto Interno Bruto (PIB), um prejuízo maior do que o provocado pela crise mundial de 2008, por exemplo. O documento, que une dados de 193 países, aponta o Brasil como um exemplo que conseguiu, ao longo de décadas, melhorar os seus índices.

A chave foi o compromisso político e ações de organizações civis com saúde e direitos humanos, indica o relatório. Por exemplo, o país conseguiu reduzir a baixa estatura infantil, que saiu de 19% em 1989 para 7% em 2007. Isso coloca o Brasil em 15º lugar no ranking de 132 países no qual Alemanha ocupa a primeira posição (1,3%). Em Timor-Leste, por outro lado, 57,7% das crianças não crescem como deveriam. Globalmente, 159 milhões de meninos e meninas tinham baixa estatura em 2014. Com exceção de África e Oceania, o número têm diminuído no planeta.

Além disso, no Brasil de hoje, crianças abaixo do peso adequado não somam  2% do total da população infantil. O percentual posiciona o país no 17º lugar entre 130 nações, das quais Austrália tem os melhores índices: lá, não existem, segundo os dados coletados, crianças desnutridas. Sudão, por sua vez, tem os piores índices, com 22,7% dos pequenos excessivamente magros. 

Esses esforços fizeram com que o Brasil cumprisse, em 2014, o primeiro objetivo do milênio: reduzir a miséria e a fome. Apesar disso, no mundo inteiro, inclusive aqui, a quantidade de crianças gordinhas se aproxima daquelas abaixo do peso ideal: em 2014, 50 milhões (7,5%) estavam abaixo do peso, enquanto 41 milhões (6,1%) estavam muito acima.

O sucesso das estatísticas brasileiras deve-se, dizem os autores, ao levantamento relativamente eficiente de dados. Foi por causa do mapa da fome desenhado pelo Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (IPEA) ainda nos anos de 1990 que os programas de erradicação da fome puderam ser melhor organizados. Naquela época, o levantamento mostrou que existiam 32 milhões de brasileiros — ou 20% da população — em extrema necessidade. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2013, eram 7,2 milhões de brasileiros passando fome.

Com informações de Isabela de Oliveira - Correio Braziliense 

Nenhum comentário:

Postar um comentário