quarta-feira, 27 de julho de 2016

A evolução no tratamento do alcoolismo

Na mesma época em que a medicina avançava nos campos da cardiologia e endocrinologia, o tratamento do alcoolismo estava estagnado e se resumia a: Alcoólicos Anônimos e Dissulfiram, também conhecido como Antabuse ou Antabus, a primeira e, até então, única intervenção farmacológica aprovada pelo FDA.

Esse atraso se deveu muito à crença popular de que a cura para o alcoolismo dependia da força de vontade do doente. Mas a partir dos anos 90, estudos clínicos e inquéritos epidemiológicos avançaram e possibilitaram separar os dependentes em dois grupos principais: o primeiro, formado pelas pessoas que sentem grande excitação ao beber; o segundo, por indivíduos que bebem para aliviar o estresse e a ansiedade.

Em 1994, foi aprovado o segundo medicamento para tratar o alcoolismo: a naltrexona, droga que atua no sistema opióide e bloqueia os efeitos de recompensa do álcool, evitando as recaídas. O terceiro medicamento aprovado pelo FDA foi o acamprosato, droga que inibe neurotransmissores que estimulam a crise de abstinência. Em 2003, um estudo encontrou evidências que topiramato, medicamento usado em casos de epilepsia, enxaqueca e distúrbios alimentares, era capaz de reduzir o número de drinques diários, aumentando os dias de abstinência.

Nos últimos anos, os avanços na medicina permitiram compreender melhor os mecanismos que levam à liberação de neurotransmissores relacionados à sensações de prazer, euforia, agressividade e dependência química, e descobrir novos tratamentos para a doença. Em 2015, pesquisadores testaram a vareniclina em ratos de laboratório dependentes químicos. Os resultados mostraram que a droga reduz a ânsia por álcool. É provável que os efeitos sejam semelhantes em seres humanos.

Pelas estimativas dos pesquisadores, dentro dos próximos 5 a 10 anos, já seja possível oferecer medicamentos eficazes que ajudem o paciente a livrar-se completamente da dependência do álcool.

Com informações de Vanessa Thees - Saúde & Tecnologia 

Nenhum comentário:

Postar um comentário