quinta-feira, 7 de julho de 2016

Cuidado, em sua grande maioria os chás são provenientes de plantas medicinais

É muito comum a indicação de um chazinho para auxiliar na cura de doenças ou no processo de reabilitação de diversos males. Os chás são, em sua grande maioria, provenientes de plantas medicinais, mas será que o seu uso de fato não pode trazer consequências ao tratamento e ao paciente?

As plantas medicinais dão origem aos medicamentos fitoterápicos. Sua eficácia e segurança têm sido estabelecidas com base no uso tradicional somado a estudos científicos modernos, realizados em modelos animais e por meio de estudos clínicos.
Em relação às reações adversas, os fitoterápicos e as plantas medicinais, ao contrário de certo dito popular, não são totalmente isentos de riscos. De fato, comportam-se como qualquer medicamento, com indicações e contraindicações específicas e efeitos adversos variáveis de caso a caso.

Os efeitos adversos mais comuns às plantas medicinais, no geral, são os seguintes:

a) Interferência nos processos de coagulação - Com mecanismos variados e pouco conhecidos, podem causar hemorragias se usadas por longo prazo, em altas doses ou associadas a anticoagulantes sintéticos. Exemplos de plantas com tal possibilidade: Ginseng coreano, gengibre, açafrão rizomas, guaco, Ginkgo biloba, dentre vários outros.

b) Reações alérgicas - Aparecem em proporções variadas na população, conforme a planta ou o ingrediente envolvido, mas podem ocorrer em qualquer caso. De modo geral, ocorre particularmente com o uso de espécies da família Asteraceae, podendo-se apresentar os seguintes exemplos: camomila, calêndula, arnica, alcachofra, dentre outras.

c) Hepatotoxicidade - Estas agressões hepáticas têm sido verificadas em algumas espécies e estão relacionadas: a classes químicas específicas, a altas doses, ao uso conjunto de vários medicamentos ou a associações com bebidas alcoólicas. A hepatotoxicidade do tipo ‘doença de oclusão venosa hepática’ ocorre com o uso de espécies ricas em alcaloides pirrolizidínicos, como o confrei que foi muito utilizado em formas farmacêuticas de via oral na década de 1980. Outro caso conhecido decorre da associação de kava-kava com usuários de bebidas alcoólicas, bem como do uso do chá verde e Cimicifuga racemosa em doses acima das terapêuticas.

Portanto, as plantas medicinais e os fitoterápicos, principalmente os de uso tradicional, assim como os medicamentos sintéticos, podem promover efeitos adversos. Em caso de dúvida sobre os riscos associados procure o farmacêutico.

Nenhum comentário:

Postar um comentário