sexta-feira, 5 de agosto de 2016

10 tecnologias que estão salvando milhões de vidas em países subdesenvolvidos

Imagine a situação: dois bebês nascem exatamente ao mesmo tempo, uma menina na Suécia e um menino em Moçambique. Quais são as suas chances de uma vida longa e saudável? No país escandinavo, onde 328 médicos estão disponíveis para cada 100 mil pessoas, a expectativa de vida em 2015 chegou a 81 anos . No país sul-africano, onde há apenas 3 médicos para cada 100 mil pessoas, a esperança de vida em 2015 foi de 53 anos.

Certamente, existem diferenças significativas na formação social, econômica e política em ambos os países, mas, infelizmente, a população dos países em desenvolvimento têm de enfrentar condições de saúde muito pior, sua expectativa de vida é muito menor e eles estão em extrema necessidade de soluções médicas inovadoras. 

Veja abaixo as tecnologias de saúde mais inovadoras, com grande potencial para salvar milhões de vidas ao redor do mundo:

1) Próteses feitas com impressora 3D

Mais de 30 milhões de pessoas no mundo precisam de dispositivos de mobilidade como próteses, enquanto 80% dos amputados não têm acesso a próteses modernas. Uma das soluções para essa questão vem da ideia incrível por trás do projeto e-NABLING the future, uma rede global de voluntários que através da partilha de desenhos para impressão 3D, tutoriais em vídeo e outras informações sobre a construção de mãos protéticas permitem que médicos ou qualquer um no campo, literalmente, possam “dar uma mãozinha” para quem precisa. As histórias de sucesso vêm de todo o mundo: agora há crianças e adultos com estilo super-herói ou mãos protéticas no Chile, Gana, Indonésia e muitos outros países.

2) Construção de hospitais com impressora 3D

O potencial da impressão 3D encanta também as ONGs que trabalham no campo da medicina. O “Médicos Sem Fronteiras” está investigando como a impressão 3D e as tecnologias de realidade virtual podem ajudar a organização na criação de hospitais de campo bem adaptados ao seu ambiente e à situação. Além de seus desenhos tradicionais do plano 2D, a equipe também criou modelos 3D e uma reprodução de realidade virtual de uma instalação recente nas Filipinas, que foi construído para ajudar as pessoas depois de um tufão em 2013.

3) Instrumentos médicos com impressora 3D

No Haiti, a organização Field Ready está trabalhando com impressão 3D on-demand de kits de parto, incluindo pinças umbilicais e outros aparelhos simples como divisores de oxigênio para tanques. Eles também incentivam a produção em pequena escala de ferramentas agrícolas através de impressão 3D . Outra startup, re3D, oferece seu Gigabot – uma impressora de mesa acessível – para as comunidades locais ou organizações com grandes ideias.

4) Monitoramento à longa distância

O monitoramento de pacientes à longa distância está sendo essencial para ajudar na relação deficiente entre médicos e pacientes em algumas partes da África e evitar que pacientes tenham que percorrer longas distâncias para ter acesso a algum tratamento. Um exemplo dessa iniciativa é o CardioPad da Himore Medical, uma solução sem fio que permite o acompanhamento mais eficaz das doenças cardiovasculares, de uma longa distância, através de Bluetooth e uma rede móvel.

5) Utilização de energia solar para melhorar a audição

Com sede em Botswana, a Deaftronics fabricou a primeira unidade de aparelho auditivo movido a energia solar, chamado de Solar Ear (Orelha Solar). Essa tecnologia está revolucionando o tratamento em um país onde há apenas 12 fonoaudiólogos e cinco centros de audiologia para uma população de mais de dois milhões de pessoas.

Cada unidade do Solar Ear inclui um aparelho auditivo digital, um carregador de bateria solar e quatro pilhas recarregáveis. As baterias também podem ser utilizadas em 80% dos aparelhos auditivos presentes atualmente no mercado. Essa invenção reduz a quantidade de visitas que são normalmente necessárias para o tratamento na África, Brasil, China, Índia e Cingapura, e também auxiliam na economia de tempo e dinheiro.

6) Absorventes higiênicos para empoderamento das mulheres

Cerca de 23% das adolescentes na Índia abandonam a escola por falta de absorventes, de acordo com uma pesquisa realizada em 2011, encomendada pelo governo indiano. Os dados também revelaram que apenas 12% das mulheres usam absorventes e 88% usa materiais improvisados.

Agora, há uma empresa para ajudar as mulheres a se sentirem mais saudáveis e permanecerem na escola. A Saathi desenvolveu uma almofada sanitária totalmente biodegradável, com o núcleo feito de resíduos de fibra de bananeira. Através dessa inovação, agricultores locais têm aumentado sua produção, já que seu trabalho é necessário para a produção das almofadas, enquanto os resíduos biodegradáveis não prejudicam o meio ambiente.


7) MIT desenvolveu um teste para detectar Ebola em 10 minutos

Ao diagnosticar um caso de Ebola, o tempo é essencial. No entanto, os testes de diagnóstico existentes demoram, pelo menos, um dia ou dois para gerar resultados, impedindo os médicos de determinar rapidamente se um paciente necessita de tratamento imediato e isolamento.

Um novo teste desenvolvido pelo MIT (Massachusetts Institute of Technology) pode mudar isso: o dispositivo, uma tira de papel simples, semelhante a um teste de gravidez, pode diagnosticar Ebola, assim como outras febres hemorrágicas virais como a febre amarela e dengue, em apenas 10 minutos.

8) Startup ataca o problema de medicamentos falsificados na África

Nos países em desenvolvimento, especialmente na África Ocidental, medicamentos falsificados são um problema grave. A Organização Mundial do Comércio estimou que medicamentos falsificados contra a malária são responsáveis por 100 mil mortes africanos por ano.

A mPedigree, empresa de tecnologia de Gana, oferece uma solução bem simples para combater o problema: um paciente vai até o farmacêutico, compra o medicamento e arranha um painel do lado de fora da embalagem para revelar um código de 10 dígitos. Ele envia esse número por SMS, que é gratuito. Alguns segundos depois, ele recebe uma resposta, comprovando ou não, a autenticidade dos medicamentos.

O sistema está em fase de testes em países como Gana e Nigéria.

9) Sistema de purificação de água para prevenção de doenças infecciosas

Mais de 700 milhões de pessoas no mundo estão bebendo água contaminada a cada dia. Cerca de 2,5 bilhões não têm acesso a saneamento adequado. Mais de um milhão de crianças menores de cinco anos morrem todos os anos devido à água contaminada e à falta de saneamento. A contaminação dos recursos hídricos naturais, que também servem como fontes de água potável, contribui para 10% da carga de doenças de todo o mundo.

Um processador autossustentável é capaz de transformar lixo e lodo de esgoto em água potável, e é capaz de gerar água potável para mais de 100 mil pessoas.

10) Tratamento de bebês com icterícia

Alguns especialistas em Stanford University School of Medicine e D-Rev estimam que, a cada ano, mais de 6 milhões de bebês com icterícia grave não estão recebendo tratamento adequado.

Em estudos na Índia e Nigéria, pesquisadores descobriram que 95% dos dispositivos avaliados em hospitais de baixa renda e clínicas não atendem os padrões para fototerapia intensiva da Academia Americana de Pediatria. Manutenção foi uma limitação fundamental na prestação de tratamento: cerca de 1 em cada 3 aparelhos de fototerapia tinha pelo menos uma lâmpada queimada ou faltando. Lâmpadas fluorescentes compactas, comumente usados em aparelhos de fototerapia, custam cerca de 15 dólares e duram aproximadamente quatro meses. Muitos hospitais têm problemas para o abastecimento dessas lâmpadas e, com dispositivos que utilizam uma média de seis lâmpadas cada, eles simplesmente não podem se dar ao luxo de substituí-las quando necessário.

D-Rev produziu um instrumento impressionante que pode resolver o problema. Com o seu dispositivo médico chamado Brilliance, hospitais podem economizar mais de 240 dólares por ano, na substituição das lâmpadas de alto custo. Além disso, a luminosidade pode suportar uma ampla gama de flutuações de energia sem alterações no desempenho do dispositivo.

A empresa estima que, com essa ajuda, mais de 125 mil bebês com icterícia que não teriam recebido um tratamento eficaz, foram tratados.

Referências:
http://medicalfuturist.com/2016/07/19/the-10-most-innovative-health-technologies-saving-millions-in-the-developing-world/

Com informações de Vanessa Thees - Blog PebMed 

Nenhum comentário:

Postar um comentário