domingo, 15 de janeiro de 2017

Recuperação após um AVC

O AVC é a lesão a uma parte do cérebro que resulta na morte de células cerebrais. Pode ser causado pelo bloqueio do fluxo de sangue para uma parte do cérebro (AVC isquêmico) ou pela laceração de um vaso sanguíneo causando hemorragia para dentro do cérebro (AVC hemorrágico). Depois de um AVC, os médicos determinam a causa do AVC, fornecem tratamentos para limitar o dano cerebral e recomendam terapias para diminuir o risco de outro AVC.


A despeito dos melhores cuidados médicos, as pessoas frequentemente apresentam sequelas após um AVC. Os déficits específicos que uma pessoa possa ter dependem da parte do cérebro que foi lesada. Déficits comuns após um AVC incluem fraqueza, dormência, problemas de visão, fala indistinta e problemas de deglutição, dificuldades com a linguagem, problemas de equilíbrio e coordenação e dificuldade de raciocínio.

Recuperação após um AVC

Um dos objetivos após um AVC é o de reaver o máximo de função e independência possível. A reabilitação pós-AVC abrange um leque de atividades projetadas para otimizar a recuperação pós-AVC. É frequente que a reabilitação pós-AVC envolva uma equipe de pessoas com diversas especializações:

• fisiatras e neurologistas de reabilitação são médicos especializados em reabilitação;

• enfermeiros de reabilitação coordenam os cuidados e fornecem apoio durante todo o processo de reabilitação;

• fisioterapeutas focam em melhorar o equilíbrio e a marcha;

• terapeutas ocupacionais focam em melhorar a função em atividades cotidianas, como tomar banho, vestir-se e fazer a higiene pessoal;

• fonoaudiólogos e terapeutas da fala avaliam e tratam problemas com a fala e linguagem, deglutição e raciocínio.

As terapias podem ser realizadas em hospitais, casa de repouso, consultórios, clínicas ambulatoriais ou em casa. Programas formais de reabilitação, em geral, duram até 3 ou 4 meses, mas esforços adicionais de recuperação podem ser continuados mesmo se melhoras forem observadas.

Complicações pós-AVC

Além das sequelas causadas pelas lesões diretas do AVC ao cérebro, também pode haver complicações devido às mudanças nas habilidades do sobrevivente do AVC. Por exemplo, se um membro que foi enfraquecido por um AVC não for usado ou movido por um período de tempo prolongado, pode haver o desenvolvimento de uma contratura. Uma contratura é um encurtamento dos músculos ou tecidos de apoio ao redor de uma articulação, limitando o movimento da articulação. 

Desagregação da pele e úlceras de decúbito (úlceras de pressão) também podem se desenvolver depois de um AVC. As úlceras de pressão estão frequentemente relacionadas a uma menor capacidade de se mover e podem ser prevenidas pelo reposicionamento frequente do corpo e por uma boa higiene cutânea. 

A perda do controle miccional frequentemente ocorre após um AVC, mas costuma melhorar com o tempo. Transtornos do humor, incluindo depressão e ansiedade, são também comuns após um AVC e podem interferir no processo de reabilitação. Caso o desenvolvimento de transtornos do humor ocorra, estes devem ser discutidos imediatamente com um médico, para que um tratamento possa ser considerado.

Com informações de Univadis

Nenhum comentário:

Postar um comentário