segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Aditivo presente em doces e chiclete afeta células digestivas

Atraentes para o paladar, balas, doces, gomas de mascar  e outras “gordices” industriais podem conter um aditivo alimentar capaz de afetar a estrutura e funcionamento das células digestivas.

Segundo estudo da Universidade de Binghamton e da Universidade Estadual de Nova York, a capacidade das células do intestino delgado de absorver nutrientes e atuar como uma barreira aos agentes que causam doenças é “significativamente diminuída” após exposição crônica a nanopartículas de dióxido de titânio, um aditivo alimentar comum encontrado em tudo, desde goma de mascar até pão.

Em laboratório, os pesquisadores expuseram um modelo de cultura de células do intestino delgado ao tempo equivalente de sua permanência no corpo de uma pessoa após uma refeição (quatro horas, considerada exposição aguda) ou três refeições em cinco dias (exposição crônica).

Surpreendentemente, as exposições agudas não tiveram muito efeito, mas a exposição crônica diminuiu a capacidade de absorção da superfície das células intestinais chamadas microvilosidades. Com menos microvilosidades, a barreira intestinal foi enfraquecida, o metabolismo diminuiu e alguns nutrientes – ferro, zinco e ácidos graxos, especificamente – foram mais difíceis de absorver.

Segundo o estudo, as funções enzimáticas foram afetadas negativamente, enquanto os sinais de inflamação aumentaram.

“O óxido de titânio é um aditivo alimentar comum que as pessoas têm comido muito por um longo tempo. Não se preocupe, isso não vai matá-lo!. Mas estávamos interessados em alguns dos efeitos sutis, e achamos que as pessoas devem saber sobre eles “, disse Gretchen Mahler, um dos autores do artigo em comunicado.

O dióxido de titânio é geralmente reconhecido como seguro pela Food and Drug Administration dos EUA, e a sua ingestão é quase inevitável. O composto é um material inerte e insolúvel que, além de ser empregado como aditivo alimentar,  é comumente usado para pigmentação branca em tintas, papel e plásticos. É também um ingrediente ativo em protetores solares baseados em minerais para a pigmentação para bloquear a luz ultravioleta.

Ainda de acordo com a pesquisa, publicada na revista científica NanoImpact. Zhongyuan Guo, o óxido também é usado em alguns chocolates para dar uma textura suave; em donuts para fornecer cor; e em leites desnatados para uma aparência mais brilhante, mais opaca que torna o leite mais saboroso.

Para evitar alimentos ricos em nanopartículas de óxido de titânico, os pesquisadores recomendam que as pessoas evitem  alimentos processados, e especialmente doces. “É neles onde você vê um monte de nanopartículas”, disse Mahler.

Com informações de Exame

Nenhum comentário:

Postar um comentário